Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Quarta-Feira, 19 de Fevereiro de 2020
0
Publicado em 10/02/20, às 09:44

Números ruins

Por Roberto Marinho

Assim como Volta Redonda, cidade que detém o título de ‘campeã em assassinatos’, as autoridades de Barra Mansa também não têm o que comemorar. É que o ano de 2019 não foi nada tranquilo para a população. Muito pelo contrário. Prova foi que praticamente todos os índices de criminalidade aumentaram de 2018 para 2019, de acordo com os números consolidados do ISP (Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro).
Ainda que o número de crimes violentos letais tenha aumentado pouco de um ano para o outro – 41 vítimas em 2019 contra 38 em 2018, o que corresponde a apenas 5% de aumento -, todos os delitos que formam os chamados “indicadores estratégicos de violência” cresceram. De acordo com a secretaria de Estado de Segurança Pública do Rio, esses indicadores – que incluem, além dos crimes violentos letais (homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e morte por intervenção de agente do Estado), roubo de cargas, veículos e de rua – apontam a sensação de insegurança da população.
O que estes indicadores mostram sobre Barra Mansa é que, embora o aumento no número de crimes violentos letais tenha sido relativamente pequeno, houve um crescimento de cerca de 50% no número de roubos de carga (10 ocorrências em 2018, contra 15 em 2019) e de veículos (25 registros em 2018 e 37 em 2019), além de 13,8% de acréscimo nos roubos de rua (109 ocorrências em 2018 contra 124 em 2019). Ou seja, a sensação de segurança da população barraman-sense não deve ser das melhores, usando os critérios da própria secretaria de Segurança Pública.
Em relação aos homicídios dolosos, a situação não é tão dramática como na vizinha Volta Redonda, onde o aQui já mostrou (na edição no 1.184, de 25 de janeiro) que 2019 foi o mais violento dos últimos cinco anos, com 89 pessoas assassinadas. Barra Mansa, por exemplo, registrou 38 assassinatos em 2018 contra 40 em 2019. Dois a mais apenas, o que corresponde a um aumento aproximado de 10%. Na série histórica do ISP-RJ – iniciada em 2014 – o ano mais violento na cidade foi 2017, com 45 assassinatos, seguido de 2014, com 41. O ano com menos assassinatos foi 2015, com 33 homicídios.

Outros crimes
Mas não foram só os indicadores estratégicos da violência que registraram aumento em Barra Mansa. As tentativas de homicídio, por exemplo, tiveram um acréscimo de 22,7%, com 110 ocorrências em 2018, contra 135 em 2019. Os roubos a estabelecimentos comerciais aumentaram em mais de 20%: foram 40 registros em 2018 e 49 em 2019. Já os roubos de aparelho celular aumentaram em torno de 50%, fazendo 16 vítimas em 2018, contra 24 em 2019. Os furtos de celular – quando a vítima não percebe a ação dos ladrões – também aumentaram 17,3%: foram 75 registros em 2018, contra 88 em 2019. Os roubos em coletivos também tiveram crescimento, de aproximadamente 25%, com sete ocorrências em 2018 e nove no ano seguinte.
Também apresentaram acréscimo os crimes de ameaça – 494 em 2018, contra 592 em 2019, aumento de 19,8% – e lesão corporal dolosa – 494 em 2018 e 541 em 2019, crescimento de 9,5%.

O que caiu
Alguns crimes apresentaram queda em Barra Mansa na comparação entre os dois últimos anos. Um dos que apresentaram diminuição mais significativa foi o estelionato, com queda de 31,5% – foram 200 registros em 2018, contra 137 em 2019. Os estupros tiveram uma queda insignificante, com uma vítima a menos em 2019 (total de 41) que em 2018 (total de 42 vítimas). Os furtos a transeuntes também caíram – 28,4% -, com 88 vítimas em 2018 e 63 em 2019, assim como os furtos de veículos, que tiveram queda de 26%, com 96 registros em 2018 e 63 em 2019.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.