Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Quarta-Feira, 1 de Abril de 2020
0
Publicado em 23/03/20, às 11:08

Grampos

Gripe (I) – No domingo, 15, o prefeito Samuca Silva mostrou que ainda não tinha certeza do tamanho do abacaxi que teria que descascar com a pandemia do coronavírus. Pior, o bispo emérito da Diocese de Volta Redonda-Barra do Piraí, D. Luiz Henrique, também, pois os dois foram participar de um evento político no Núcleo D. Waldyr, na Rua dos Mineiros, no Belmonte. Mais exatamente da inauguração de uma obra, de R$ 210 mil, de implantação de uma rede de 516 metros de água potável e tratamento de esgoto no núcleo de posse. Prefeito e bispo, felizes da vida, se misturaram ao povo, cumprimentaram eleitores e cristãos. Samuca fez mais. Gravou um vídeo para entrar para os anais da história. Santa paciência.

Gripe (II) – Pior que o vídeo foi a fotografia que a assessoria de imprensa da prefeitura de Volta Redonda mandou para os jornais, onde todas as autoridades aparecem bem juntinhas e sorridentes, como se o mundo não estivesse indo pelos ares com a pandemia do coronavírus. D. Luiz, por exemplo, estava quase de mão dada com o ‘01 de Samuca’, o empresário do GNV, Joselito Magalhães.

Creche – Na quinta, 19, quando a pandemia já era uma realidade, Samuca promoveu mais um evento político. Desnecessário, é claro. Foi na Creche Raiozinho de Sol, na Vila Rica, onde a prefeitura gastou R$ 25 mil para promover uma pintura geral da unidade, além da construção da rampa de acesso e banheiros com acessibilidade. No release aos jornais, o Palácio 17 de Julho fez questão de ressaltar que, como medida de precaução, a cerimônia não contou com a presença de público, a fim de evitar aglomeração. Mas, como mostra a foto, Samuca e os convidados não acataram as determinações de se manter distância entre as pessoas para não contrair (ou propagar) o coronavírus. Desnecessário, né?

A César (I) – Um leitor atento do jornal rebateu a informação de Samuca – publicada na edição passada – de que ele estaria resolvendo “um problema que dura décadas” em relação aos buracos na Rodovia dos Metalúrgicos. “Moro no Jardim Belvedere há mais de 20 anos e nunca houve esse problema de buracos na rodovia. Dizer que o asfalto tinha cinco centímetros (de espessura) é querer jogar pra galera ou tentar se livrar da culpa”, avalia o leitor em mensagem enviada à redação. Vale lembrar que no local foi feita uma obra de drenagem pelo grupo Campos Pereira, do empresário Mauro Campos (pai).

A César (II) – Segundo o leitor, no trecho onde estão surgindo os buracos – desde junho do ano retrasado, quando a obra na rodovia terminou – foi feita uma escavação de uns quatro metros de profundidade. “Se alguém colocou asfalto com cinco centímetros de espessura ali, foi a empresa responsável pelo serviço. E isso não foi há décadas. Faltou fiscalização da prefeitura ou sobrou confiança nos empresários responsáveis. Ou as duas coisas”, disparou. Tem mais. Apesar do discurso de Samuca de que iria responsabilizar a empresa, os buracos continuam infernizando os motoristas que passam pela Rodovia dos Metalúrgicos. Até quando? Ninguém sabe.

Fake (I) – Como se não bastasse a gravidade da situação e o medo das pessoas de ficarem doentes, não faltaram os imbecis que usam o WhatsApp para espalhar o pânico na população. Como um áudio que circula na capital – já chegou a Volta Redonda – dando conta que bandidos estariam se passando por agentes de Saúde para fazer testes do coronavírus, para invadir prédios e condomínios. A brincadeira estúpida obrigou a secretaria estadual de Saúde a desmentir que agentes da pasta estariam fazendo visitas do tipo. 

Fake (II) – Por falar em ‘fake news’, ligadas à pandemia do coronavírus, elas não se restringem aos grupos de “zapzap”. Uma delas saiu de uma reunião de médicos de um hospital particular da cidade do aço. Um ‘ilustre doutor’ garantia a todos  que Volta Redonda “teria muito mais infectados do que estavam falando. Era mentira. Que feio doutor!

Fake (III) – Ao apurar a fake news de branco, o aQui descobriu que os testes para saber se o paciente está infectado ou não  levam algum tempo para ficarem prontos, e como o número de amostras é enorme, o Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels) está demorando para liberar os resultados. Mesmo com os técnicos do laboratório trabalhando 24 horas, em regime de plantão.

Fake (IV) – O coordenador técnico do Cismepa (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paraíba), Rodrigo Lages, informou ao aQui que o governo do Estado está adquirindo ‘testes rápidos’ para detectar o coronavírus. Só que, segundo ele, esse tipo de teste é menos confiável. “Como ficare pronto em 10 minutos, vai ajudar bastante na triagem dos casos suspeitos”, defende. “Caso o teste rápido dê positivo, é feito outro, normal, para certificar a contaminação”, explicou.

Fechado – O Clube dos Funcionários, que, além  das piscinas, tem uma ampla praça de esportes, fechou para qualquer tipo de atividade.

Meio fechado – Já o tradicional Clubinho do Laranjal acendeu uma vela a Deus, outra ao Diabo. Mandou fechar tudo, mas permitiu que um pequeno grupo de associados continue disputando suas peladas. Argh!

Normal – Ontem, sexta, 20, a feira-livre do Conforto estava montada, como se nada estivesse acontecendo em Volta Redonda e no país. Alguns feirantes nem apareceram, mas a maioria acreditou em Samuca quando o prefeito disse que as barracas poderiam ser montadas…

Praias – Os voltarredondenses podem ir à feira, mas não poderão ir às praias de Mangaratiba. É que diante da pandemia do Covid-19, o prefeito Alan Campos da Costa, o Alan Bombeiro, proibiu o acesso das pessoas às praias, ilhas, orlas e praças do município. Mandou suspender também a realização de eventos, encontros religiosos e atividades turísticas. Turista então, nem pensar. Até o dia 15 de abril, o acesso de qualquer turista às ilhas da cidade e também à Ilha Grande estará proibido.

Rua 33 – O homem do GNV anda sem muito gás. A recuperação asfáltica da Rua 33, que seria realizada no domingo passado, levou quase uma semana inteira para sair do papel. E, cá pra nós, uma das principais ruas da cidade do aço ficou feia demais, toda remendada… 

Logo depois da edição passada ir às ruas, a prefeitura de Volta Redonda mandou tapar um buraco existente na Rua Capitão Lopes Bragança, que só não provocou acidentes pela eficiência dos moradores que colocaram um tambor em cima do mesmo. Pena que a prefeitura, depois de executar o serviço, deu uma de sugismundo (lembram dele?) e largou o entulho da obra em cima da calçada.

Horrível – Por falar em coisa feia, as duas fotos envolvem a administração do Saae-VR. A primeira mostra que o órgão é quase ágil em resolver problemas, mas péssimo em refazer o que destruiu. Não foi a primeira, nem será a última. A segunda prova que a direção da autarquia não está nem aí com o desperdício de água – tratada, por sinal. O vazamento em uma calçada ao lado da Praça do Jardim Normândia durou mais de 24 horas. Quem paga a conta?

Eleições – Há quem entenda que o novo coronavírus vai acabar com as eleições de 4 de outubro. Fala-se até em prorrogar o mandato dos atuais prefeitos e vereadores por mais 12 meses.

Pai da ideia – Apesar da pandemia, os políticos de Volta Redonda continuam em ação. E alguns estariam pedindo a cabeça do empresário Rafael Capobiango, assessor especial do prefeito Samuca Silva. Motivo: ele seria o mentor da ideia de se montar a arapuca que vitimou Paulinho do Raio-X. A informação é de uma fonte, mas a tese já foi compartilhada pelo vereador Neném, presidente da Câmara (ver página 14).

Ele voltou – Por falar em Raio-X, o vereador voltou a postar um vídeo nas redes sociais. Logo de cara diz que, orientado pelos advogados, não iria falar da suposta extorsão ao prefeito Samuca Silva. Apesar de estar impedido de exercer a função, Paulinho diz que sua equipe ‘está trabalhando’. E recebendo, lógico. 

Blindado – A prefeitura de Volta Redonda está adquirindo um automóvel blindado para atender aos deslocamentos de Samuca Silva. O empenho já saiu publicado no Diário Oficial  (dia 18 de março) e foi assinado por Carlos Roberto Baía, secretário de Administração. Valor do carro: R$ 85 mil.

Fechada – A Câmara de Volta Redonda vai suspender suas atividades até o dia 31 de março. No entanto, Neném, presidente da Casa, diz que os vereadores vão compensar as faltas assim que a situação se acalmar, promovendo sessões às segundas, terças, quartas e quintas. Não, não é por conta da CPI do Samuca. É por conta do coronavírus.   

Impostos – O vereador Luciano Mineirinho (PL) entrou com pedido para o prefeito Samuca Silva prorrogar o pagamento dos impostos das empresas e autônomos, além da conta de água e do IPTU em Volta Redonda. Até o fechamento da edição, não tinha obtido nenhuma resposta do Palácio 17 de Julho.

Página –  Tentando manter a população informada sobre os dados do coronavírus, a prefeitura de Volta Redonda criou uma página para ‘prestar esclarecimentos’ sobre o assunto. A nova ferramenta será atualizada diariamente, às 11 horas, com os números oficiais dos casos do município para desmentir as ‘fake news’ que surgem a toda hora. A página pode ser acessada em www.voltaredonda.rj.gov.br/vrcontraocorona

Fake news –  Horas depois de a secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro confirmar o segundo óbito por coronavírus (um homem de 69 anos), boatos davam conta que uma senhora, de 62 anos, moradora da Vila Mury, teria sido transferida do Hospital São João Batista para o Hospital Regional, onde estaria sob tratamento com suspeita de ter contraído o coronavírus. A notícia foi negada, mas em entrevista às rádios, o próprio prefeito Samuca Silva falou que uma mulher da Vila Mury teria sido atendida na unidade hospitalar. A verdade é que a população não acredita nas informações oficiais sobre o coronavírus. Acredita que o número dos casos é muito maior.

Na farmácia – Um senhorzinho, de 69 anos, cuja identidade não foi revelada, morreu na tarde de quinta, 19, por volta das 13 horas, dentro de uma farmácia no Retiro. A princípio, nada a ver com o coronavírus. Mas, quem assistiu a cena garante que ele, que estava com uma pulseira amarela, usada no Hospital do Retiro, administrado pela OS Mahatma Gandhi, chegou à unidade dizendo que estava tendo um ataque cardíaco. Não foi atendido na hora e depois de 30 minutos teria ido à farmácia mais próxima, ver foto, onde faleceu.      

Números – Na terça, 17, a prefeitura de Volta Redonda realizou uma reunião com representantes de entidades religiosas e empresariais do município. Na data, a cidade do aço não tinha nenhum caso de novo coronavírus confirmado, mas tinha 41 casos suspeitos e 19 casos descartados. Detalhe: 22 pacientes se encontravam em isolamento domiciliar.

União (I) – Participaram do encontro o prefeito Samuca Silva, o secretário de Saúde, Alfredo Peixoto, a diretora do departamento de vigilância epidemiológica da SMS, Milene de Paula, e o secretário do Gabinete de Estratégia Governamental, Nelson Gonçalves. “O momento é de união de todos. Não podemos errar no processo de contenção do vírus. É importante a gente se proteger. Nossa população é idosa e precisamos tomar os cuidados necessários para combater o novo coronavírus”, disse o prefeito Samuca Silva.

União (II) – Ele foi além. Anunciou que todos os eventos de aglomeração de público – como festas e shows – que dependessem de autorização do Poder Público, seriam  vetados por 15 dias. “É um momento de prevenção, não podemos cometer os mesmos erros de países que deixaram o vírus circular primeiro para tomar uma atitude. Por isso, recomendo e oriento para que todos os eventos de aglomeração de público também sejam temporariamente suspensos”, completou Samuca, esquecendo de dois pequenos grandes detalhes: Não iria impedir a realização da feira livre, e manteve o atendimento médico na Policlínica do Raulino de Oliveira, que não atende casos de emergência. Pisou na bola, literalmente.

Cultos – O presidente da Assembleia de Deus Ministério Restauração, do bairro Vale Verde, pastor Albino, estava presente. “Esse tema (coronavírus) é de consciência para cada um de nós. Vamos interromper os cultos na nossa comunidade evitando a aglomeração de pessoas. É melhor tomar essa medida agora do que chorar a perda de pessoas queridas depois”, declarou. Ele está certo.

Parou – O ônibus elétrico, o da Tarifa Comercial Zero, parou de rodar. Antes que algum gaiato pense que acabou a energia do mesmo, foi por conta da pandemia.

Fechado – Com atraso, a prefeitura de Volta Redonda decidiu fechar o Zoológico Municipal. No domingo, 15, o Zoo abriu normalmente e foi bem procurado. O engraçado é que um idoso quis lavar as mãos e, para sua surpresa, no banheiro masculino não havia água. Foi obrigado a pedir para um funcionário ficar na porta do  banheiro feminino para que ele pudesse lavar as mãos. Parece piada, mas não era.

Piscina – O Parque Aquático da Ilha São João também foi fechado. A feira livre não.

Almoço – Para evitar a circulação do Covid-19, o Restaurante Popular, mantido pela prefeitura de Volta Redonda, está servindo os almoços em marmitex, com talheres descartáveis, evitando a aglomeração de pessoas no local. No caso de pessoas com deficiência, o almoço é servido na própria unidade, respeitando medidas de segurança, como o espaçamento maior entre as cadeiras e limite no número de pessoas presentes. Os funcionários do restaurante estão organizando a fila para que seja mantida a distância de pelo menos um metro entre os usuários.  

Fila – Centenas de pessoas quase saíram no tapa para comprar álcool em gel em uma farmácia, localizada no Retiro.    

Nu com a mão… – Os voltarredondenses que quiserem viajar para o Rio de Janeiro ou São Paulo, entre outras cidades, terão que ir de carro, ou a pé. É que as empresas Cidade do Aço e Cometa, respectivamente, ficarão sem rodar pela Dutra pelos próximos dias.

Nu com a mão (II) – De acordo com o secretário de Transporte e Mobilidade Urbana,  Maurício Batista, a interrupção do serviço prestado pelas viações  Cometa e Cidade do Aço é uma ação de prevenção ao Covid-19. “Todos os dias essas empresas tinham ônibus saindo e chegando a Volta Redonda de 30 em 30 minutos . Eram duas mil pessoas por dia”, revelou.

Nu com  mão (III) –  Até o fechamento desta edição, as empresas Útil, Colitur, Caiçara, Progresso,  Gontijo, Nossa Senhora Aparecida, Sampaio e Resendense continuavam  operando normalmente. Mas estavam tendo que ampliar as ações de higiene dos ônibus.  

Nu com a mão (IV) – Os veículos que rodam nas 53 linhas municipais – cerca de 200 –  também estão passando por uma higienização diária. “A higienização está sendo feita  quando os ônibus chegam na garagem e no intervalo da escala de um  veículo para o outro”, explicou a secretaria de Transporte.

Sorte – A Capemisa Capitalização decidiu prorrogar  a validade do título de capitalização RJ DA SORTE – INTERIOR, cujo sorteio estava programado para ocorrer amanhã, domingo, 22. O sorteio de mais de 60 prêmios acontecerá no próximo domingo, 29, sendo mantidos o horário e canais de divulgação. Os títulos RJ DA SORTE – INTERIOR com data de sorteio impressa para 22/03/20 poderão ser adquiridos até 28 de março, sem prejuízo nenhum para todos os compradores.

Comércio – A Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas, em nota oficial, defende o fechamento total de todo e qualquer tipo de comércio em território brasileiro, com exceção dos serviços básicos, como supermercados  e farmácias, que devem funcionar com regras de utilização para que se evitem aglomerações. Pelos cálculos da CNDL, o setor do comércio e serviços será impactado negativamente em mais de R$100 bilhões nos próximos meses.

Corrida – Coincidência ou não, o estacionamento do Spani abrigava, ontem sexta, 20, por voltas 12 horas, cerca de 500 veículos. Dentro da unidade, os clientes se esbarravam e não acatavam a ordem de se manter dois metros de distância um do outro.  

Ubers – Promessa feita, promessa cumprida. Mauricio Batista, secretário de Transporte da prefeitura de Volta Redonda, passou a fiscalizar os ‘Ubers Piratas’, que teimam em circular pela cidade do aço. A foto mostra a apreensão de um deles, em frente à Rodoviária, quando oferecia lotada para Angra dos Reis. 

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.