Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Quarta-Feira, 1 de Abril de 2020
0
Publicado em 09/03/20, às 09:48

“Felizes para sempre… separados”

O sonho do “viveram felizes para sempre” esteve muito associado às mulheres ao longo do tempo, mas a realidade de hoje mostra uma outra história: são elas que mais entram com pedidos de divórcio na Justiça. Segundo dados do IBGE, a diferença é enorme. Os últimos números disponíveis, por exemplo, mostram que elas entraram com pedidos para se separarem mais de 13 mil vezes no último ano, enquanto os homens foram responsáveis por pouco mais de 5 mil pedidos. Nos Estados Unidos, a situação é igual: pesquisa da Stanford University aponta que as mulheres dão início a 69% dos pedidos de divórcio, contra 31% dos homens.
Para a advogada especializada em Direito Humanizado nas áreas de Família e Sucessões, Debora Ghelman, os números, na verdade, refletem a evolução na conquista de direitos da mulher. “Não existe mais aquele estigma de antigamente, da mulher desquitada. As leis foram evoluindo muito. Antigamente, era necessária a prova de culpa, como por exemplo uma traição, e só podia divorciar uma vez na vida. A mulher tinha menos controle sobre si e, com o tempo, as coisas foram mudando e elas passaram a ter mais atitude nesse momento”, comenta.
A facilidade para entrar com o pedido de divórcio também se tornou um grande encorajador, aponta a especialista. “Acredito que há uma série de motivos para esse fenômeno, inclusive o fato de que atualmente não é necessária a prévia separação de um a dois anos para entrar com o pedido de divórcio, prazo exigido antigamente. Agora, em casos sem filhos menores e consensuais, basta ir ao cartório”, comenta.
Algumas pesquisas também mostram que uma possível razão para as mulheres estarem mais infelizes nos casamentos é que a instituição ainda privilegia os homens. As mulheres continuam assumindo mais funções do que eles dentro do casamento, sendo responsáveis não só pelo seu trabalho, mas também pela parte doméstica, dos filhos e até do marido. “Ainda é comum a gente ouvir esses relatos, inclusive de ‘ter que cuidar do cônjuge’. Então, é natural que ela fique mais sobrecarregada, o que não contribui para o casamento, claro”, diz Debora.
Outro fato que contribui para os casais que têm filhos é também a mudança de parâmetro na Justiça, que determina a guarda compartilhada como princípio. “Antes, automaticamente a mulher ficava com os filhos, o que também era uma forma de sobrecarregá-la”, afirma.
No Brasil, de acordo com dados do IBGE, o número de divórcios cresceu mais de 160% na última década. Segundo os estudos, que datam de 2014, foram homologados 341,1 mil divórcios, um salto significativo em relação a 2004, quando foram registrados 130,5 mil divórcios.
Plano de divórcio é importante
O tempo entre a decisão de se separar e o pedido do divórcio costuma ser de um ano e meio, afirma a advogada. Com isso em mente, Debora recomenda que as mulheres que estão pensando na separação devem elaborar um plano para que o momento seja o mais rápido e indolor possível.
“O divórcio já é um grande desgaste emocional. Ainda mais se há disputa de guarda. Então, eu sempre sugiro que a pessoa, quando toma essa decisão, busque primeiramente um advogado para ouvir seus anseios e vontades antes de comunicar ao cônjuge. Dessa forma, o desgaste tende a ser menos traumático, fazendo com que todos possam seguir com a sua vida. Afinal, casamento tem de ser fonte de felicidade e não de tristeza e frustração”, finaliza.

Debora Ghelman é advogada especializada em Direito Humanizado nas áreas de Família e Sucessões, atuando na mediação de conflitos familiares a partir da Teoria dos Jogos.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.