Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Quarta-Feira, 19 de Fevereiro de 2020
0
Publicado em 10/02/20, às 09:53

Arriscando a pele

Pergunta da categoria Sexo e Relacionamento do app Quinto

Os dias de folia já começaram em algumas cidades como Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro. Em Volta Redonda e Barra Mansa começa a dar seus primeiros passos. Pensando na folia, a preocupação do Ministério da Saúde é com o (não) uso da camisinha durante os dias de festa, uma vez que o país tem em média mais de 800 mil pessoas com HIV, de acordo com o Boletim Epidemiológico da doença, divulgado em 2018.
A epidemia está estabilizada, contudo dados do aplicativo de opinião pública ‘Quinto’ mostram que 51% não levam camisinha para o Carnaval. ‘Vão com a cara e a coragem’. A pesquisa foi feita com 4.046 pessoas, sendo 33% homens, 45% mulheres e 3% outros. A maioria dos votantes tinha de 18 a 34 anos e nessa faixa etária, grande parte ainda se arrisca: 59% dos ouvidos não carregam preservativos consigo nos dias de folia.
A plataforma divulgou ainda dados das regiões do país. Somente na região Sul e Centro-Oeste é que a maioria dos foliões já sai de casa prevenida. No Nordeste, 46% dos votantes disseram que levam preservativos consigo, e no Sudeste 49%.
Um outro dado divulgado pelo aplicativo mostrou que o esquecimento não é motivo para a não proteção, já que a maioria dos usuários do ‘Quinto’ revelou que usa (ou usaria) camisinhas distribuídas gratuitamente, sendo eles 53% homens.

Você transa sem camisinha?
A pergunta aparece na categoria ‘Sexo e Relacionamento’ do aplica-tivo de opinião pública, sendo que 5.650 pessoas responderam à questão e 47% dos usuários admitem que fazem sexo sem camisinha.
É bom lembrar que o Ministério da Saúde lançou em dezembro do ano passado vídeos com a participação da especialista em sexo Cátia Damasceno, onde a profissional explica que é possível contrair ISTs (Infecções Sexualmente Trans-missíveis) mesmo usando camisinha. “O HPV por exemplo pode ser transmitido apenas com contato sexual de pele com pele”, esclareceu a profissional.
A especialista, que soma mais de 5 milhões de seguidores em seu canal no Youtube, alerta ainda para outras infecções sexualmente transmissíveis que a camisinha previne, como hepatite, sífilis, gonorreia e cancro mole.
Sobre o app: O Quinto é um aplicativo gratuito que conta com mais de 40 mil usuários cadastrados e foi criado para organizar e representar a opinião pública coletiva, por meio de enquetes, debates e informação de qualidade e está disponível na loja do seu celular. Mais informações no site www.oquinto.org ou @appquinto.

Os tamborins e a paquera

O carnaval é aquele período de festa quando muitas pessoas aproveitam para extravasar. Nessa época do ano paquera, romance e pegação surgem e terminam, algumas de forma efêmera, duradouras e outras por um tempo apenas, até a curtição do samba terminar. O sexo casual se torna mais comum, afinal, os dias de folia são propícios para quem está na paquera partir para os ‘finalmente’ sem compromisso no dia seguinte. É ideal para aquelas pessoas que gostam e curtem a ideia de não ter que ligar para saber se tudo foi perfeito ou para repetir a dose.
A folia abre as portas para o sexo casual, quando não há desejo de se apaixonar, mas só curtir. A frase é da sexóloga do site de encontros casuais C-date (www.c-date.com.br), Carla Cecarello. A especialista diz que neste período o melhor é não se deixar levar pela emoção, pois assim a pessoa se diverte e conhece outras pessoas. Mas também faz um alerta: “É preciso alguns cuidados, antes de se jogar na festa com tudo”, pontua.
Como em qualquer outra situação ou momento, o sexo casual é perfeito para aquelas pessoas que sabem muito bem como praticá-lo. Elas entendem que o sexo com alguém por apenas uma noite é único e não terá repeteco. As “regrinhas” do sexo casual estão claras para os cadastrados no C-date, porém Carla Cecarello separou algumas dicas essenciais para quem está pensando em aderir ao ritmo carnavalesco. São orientações básicas como não se envolver e tampouco procurar a pessoa no dia posterior à festa. Confira:Descontração: Para quem tem o desejo de experimentar o sexo casual, uma fantasia de transar com um desconhecido, mas, ainda não teve coragem, o carnaval é uma boa época. “Com a festa popular as pessoas ficam mais descontraídas e dispostas ao sexo, uma transa descompromissada”, afirma a sexóloga do C-date.

Fantasias: Investir numa fantasia é uma boa ideia para aproveitar a época. Os foliões já saem fantasiados e se a pessoa usar a criatividade, já vai quebrar o gelo e se aproximar mais facilmente de alguém. “Dependendo da fantasia que se escolhe para o carnaval, há uma aproximação mais descontraída, os preconceitos são deixados de lado”, comenta Carla Cecarello.

Segurança: Não esqueça jamais de usar o preservativo no sexo casual. Aproveite as brincadeiras do carnaval, mas com segurança de sua saúde. Apostar em preservativos diferentes e criativos é uma boa ideia. “Há diversas opções de preservativos, desde o de neon, com sabores, odores, enfim, que permite se divertir e tornar a transa inesquecível.”

Curtição: O primordial é ter em mente que aquela relação não vai vingar, especialmente no sexo casual. Nem pense que vai encontrar um princípe ou o amor eterno. A regra é clara: sem expectativas.

Beba com moderação: Apesar das permissões no carnaval, não abuse de bebidas alcoólicas. A sexóloga do C-date explica: é importante se lembrar de tudo o que ocorreu. O excesso de bebida pode comprometer a ereção, a ejaculação e às mulheres dificulta a lubrificação. Ou seja, assim como dirigir carros é perigoso, sexo casual bêbado ou bêbada pode estragar o momento, cortar o clima e colocar você em perigo. O recado da sexóloga: “não beba se vai sair com um desconhecido, usando a internet, ou mesmo pessoalmente no bar ou na festa de carnaval.”

Sobre o C-date
Fundado em 2008, o C-date foi o primeiro site de encontros casuais da Europa. Atualmente está presente em 35 países e tem mais de 15 milhões de usuários. Todos os dias, mais de 20 mil novos membros – homens e mulheres – se inscrevem no C-date. O perfil dos usuários é composto por pessoas com idade entre 30 e 50 anos que procuram viver aventuras sem compromisso, de forma elegante.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.