Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Terça-Feira, 26 de Março de 2019
0
Publicado em 11/03/19, às 09:36

‘Zelador espiritual’

Por Vinicius Oliveira

Um coração partido pode ser um dos males mais perigosos à alma humana. Ver o grande amor da sua vida indo embora para, talvez, nunca mais voltar pode ser tão impactante quanto aterrador. Muitas vezes, invadido pela dor e torturado pelo desespero, o apaixonado acaba tomando medidas extremas, das quais até a própria razão desconfiaria.  Como, por exemplo, recorrer ao mundo espiritual. Vendendo fiapos de esperança em jornais, revistas, papéis colocados nos postes, panfletos distribuídos em avenidas e anúncios na internet, os astrólogos, tarólogos, pais de santo, “bruxos” e toda sorte de videntes prometem ao ‘desiludido amoroso’ verdadeiros milagres. 
Foi assim que uma paulistana, que pediu para não ser identificada por vergonha, encontrou o ‘consultório’ do voltarredondense Jonathan de Oliveira Ribeiro, mais conhecido como Pai Jonan de Angola. Desesperada após a partida de seu ex-marido, que saiu para visitar sua mãe e nunca mais voltou, a jovem encontrou esperanças nos anúncios online divulgados pelo Pai de Santo que já foi, inclusive, ouvido pelo aQui para uma reportagem de fim de ano. 
Acreditando em Jonan, ela ‘encomendou’ o ex-noivo de volta, mas o que deveria significar uma chance de reencontrar a felicidade se tornou um pesadelo, que ela tenta superar. “Eu pedi pra que meu noivo voltasse… pois ele foi visitar a mãe dele e mudou do nada. Desmanchou tudo comigo por celular. E isso me deixou totalmente ator-mentada. Então procurei o ‘pai Jonan’ para me ajudar”. 
Ela disse que uma das exigências de ‘pai Jonan’ seria o pagamento adiantado pelo serviço de “amarração”. “Foi agora em fevereiro. Ele pediu o dinheiro adiantado. Eu es-tava desempregada. Doente psicologicamente, tentando entender o que estava aconte-cendo. Consegui com muito custo juntar o valor pra enviar” explicou, afirmando que o serviço lhe custou R$ 277,00 em troca de esperar sete dias pelo resultado. “Esse é o mínimo. Tem outros valores maiores, depende dos dias que a pessoa quer esperar. Pode ser três dias ou até 24 horas. Quanto mais rápido, mais caro”, frisa. 
Ainda de acordo com a mulher, o mais difícil não foi juntar o dinheiro, muito menos ter fé nos poderes sobrenaturais que envolvem esse tipo de trabalho, mas, sim, as restrições que o ‘Pai de Santo’ faz enquanto o feitiço está em curso. “Ele me disse que eu não poderia ingerir nenhum tipo de alimento com açúcar. Enquanto esperava pelo resultado, fiz a dieta. Eu fiquei extremamente magra porque me restringi a somente almoçar. Comia salada e arroz e só tomava água. Foi uma semana horre-nda”, reclamou, salientando que as restrições impostas variam de pessoa para pessoa. “No meu caso, só houve a exigência de não ingerir o açúcar, mas sei de casos em que a pessoa fica proibida de comer carne e até de fazer sexo”, afirmou. 
Ao passo que amar-gava uma dieta pobre em açúcar, a paulistana não via qualquer tipo de avanço. Seu ex-noivo, conforme ela conta, ao contrário de se reaproximar, parecia cada vez mais distante. “Ele começou a me bloquear nas redes sociais e assumiu um relacionamento com outra mulher. Ou seja, não estava surtindo efeito algum a ‘amarração’. Então resolvi entrar em contato com ele e saber por que estava tudo dando errado”, afirmou. 
A jovem disse ainda que o ‘religioso’, além de demorar a responder suas mensagens, arrumou um jeito de lhe pedir mais dinheiro. “Depois de tanto re-clamar, Jonan disse que identificou um trabalho contra mim. Explicou que uma mulher havia trancado meus caminhos e nada na minha vida iria para frente, enquanto eu não desfizesse esse feitiço. Jonan disse que não cobraria pelo serviço, mas que precisava de mais dinheiro para comprar os materiais desse novo trabalho e ainda para abastecer o carro”, contou. 
“Eu expliquei para ele que não tinha mais condições de bancar os serviços dele. Não tinha mais dinheiro. Então, pedi o dinheiro de volta já que nada daria certo, segundo ele, enquanto o feitiço jogado em mim não fosse que-brado. Para minha sur-presa, ele desapareceu”, continuou a mulher, indignada. “Um tempo depois ele reapareceu dizendo que o trabalho já estava feito. Eu quis saber se daria certo, já que havia um feitiço contra mim. Como resposta, Jonan pediu apenas que esperasse o prazo e continuasse a dieta”. 
Mesmo assim, segundo a mulher, seus desejos não se cumpriram. O ex-noivo cortou qualquer tipo de laço que ainda mantinha com ela e o desespero voltou a ator-mentá-la. “Ele diz em seus anúncios que devolve o dinheiro. Eu pedi o dinheiro de volta, mas ele não de-volveu. E depois de continuar o trabalho por conta própria, ele disse que não deu certo porque encontrou erro na dieta. Na verdade, ele é um verdadeiro 171 e tem respostas prontas para tudo”, denunciou, com raiva. 
Conforme o aQui apurou, a moça de São Paulo não é a única insatisfeita com os resultados dos trabalhos oferecidos por ‘pai Jonan’. Em um blog chamado ‘Picaretas do Brasil’ o voltarredondense figura entre os mais odiados. Lá, outros clientes destilam veneno e revolta através de comentários. Em 2017, Sandra Lopes desejou que ele estivesse preso. “Pedi para ele devolver o dinheiro porque não tinha mais dinheiro, e não queria mais que ele fizesse o trabalho. Ele me bloqueou e não devolveu o dinheiro. Ele precisa estar preso”, postou. 
Também em 2017 uma internauta identificada como ‘Anjinhorosinha’ soltou o verbo. “Picareta mesmo! Entrei em contato pelo Whats porque vi num site ótimas referências dele. Ele disse que não fazia jogo. Que era para fazer o depósito. Optei pelo mais barato (R$277). Depois do depósito mandei o comprovante, nome, minha foto e um áudio com meu pedido (que nem de longe era amarração). Ele me retornou com gravações dizendo que abriu o jogo e que tinha um espírito do cabaré e que eu precisava fazer uma coisa absurda e que se fosse difícil pra eu fazer, ele mesmo faria, mas precisava de mais R$ 277, pois já tinha comprado os materiais da amarração”, reclamou. 
‘Não é bem assim’… 
… Foi com essa frase que Pai Jonan de Angola se defendeu. Em conversa com o aQui, ele garantiu que age dentro dos limites impostos pelos espíritos e que o bom resultado de seus serviços depende, também, da fé de quem contrata. “Eu deixo tudo explicado para os clientes que, se for por erro meu e o serviço não der certo, eu devolvo o dinheiro, mas depende da fé dessas pessoas”, justificou. 
O Pai de Santo, que prefere manter seu nome de batismo sob sigilo nas redes sociais, garantiu que não lucra quase nada com os trabalhos espirituais que faz, mas vive basicamente da venda do seu livro cujo título é ‘O Livro das Sombras’. “Eu cobro muito pouco. Pode pesquisar, ninguém cobra menos do que eu. Porque meus orixás nem permitem que (eu) cobre mais caro. Eu vivo mesmo é do meu livro. O que peço (para os interessados) é para pagar os materiais que são muitos e caros e também para colocar gasolina no carro. Alguns serviços são longe da minha casa, precisam ser feitos na cachoeira, na praia…”, justificou, garantindo que quase nunca teve problemas com clientes insatisfeitos. 
“Se tive quatro reclamações no ano foi muito”, completou Jonan, argumentando que muitos pais de Santo insatisfeitos com seu sucesso ou até mesmo evangélicos irados por conta da religião que professa costumam tentar difamar seu nome. “Eu já sofri muitos ataques desse tipo, porque sou muito procurado. Por isso saí de Volta Redonda. Não estava tendo mais vida social. São três mil pessoas todo dia me procurando e isso causa inveja”, comentou, salientando que nem todos o procuram para encomendar um serviço. “Alguns querem conselhos, apenas”. 
Sobre as restrições impostas aos clientes para que os feitiços surtam efeito, pai Jonan explicou que eles fazem parte do ritual. “São os orixás que pedem. Às vezes faço uma amarração com açúcar e, se a pessoa come açúcar, não vai dar certo. Os próprios espíritos me apontam no jogo quando o cliente fura a dieta. Daí eles precisam começar tudo de novo”, relatou. “Eu tento fazer o máximo para ajudar as pessoas que me procuram. Mui-tos até pedem o mal para outros e eu não posso fazer tudo o que me pedem”, pontuou. 
Pai Jonan faz questão de mostrar relatos de clientes antigos, satisfeitos com o resultado de seu trabalho. Ele diz receber quase que diariamente mensagens de texto com agradecimentos por ter conseguido realizar os desejos de quem o procura. Alguns ficam tão felizes com o resultado que chegam a dar declarações polêmicas. Em um de seus vídeos no youtube, por exemplo (https://www.youtube.com/watch-?v=lUN1pITV_TE), que Jonan usa para ‘vender seu peixe’, ex-clientes relatam os casos de vitória. Uma delas chega a comemorar um acidente no qual se envolveu um dos alvos dos feitiços de Jonan.  
“Existe uma coisa chamada Justiça no espiritismo. Todo trabalho que eu faço entrego para Xangô, que é o orixá da Justiça. Não vou dizer que não faço trabalho de magia negra. Faço, sim. Mas tudo o que faz volta. Não é maldade o que acontece com as pe-ssoas que fazem o mal, mas, sim, justiça!”, rebateu o ‘bruxo’, que garantiu explicar todas essas nuances aos seus clientes antes de fechar o serviço. “Quem deve, paga. Quem merece, recebe”. 
Jonan afirmou ao aQui, reiteradas vezes, que age dentro da lei de Deus e dos homens. “Eu tenho alvará para exercer a função de zelador espiritual. Trabalho dentro dos conformes. Faço um trabalho sério e não me importo de conversar com as pessoas que se sentem lesadas e ajudá-las da melhor forma possível”, garantiu, salientando que a moça, que fez a denúncia, pode procurá-lo. “Vamos tentar resolver”, prometeu. 

Nota do Pai Jonan de Angola

Sobre o questionamento feito pelo aQui, pai Jonan de Angola afirma que não pode informar, nem relacionar qualquer detalhe sobre o eventual trabalho feito para a reclamante, que não se identificou. “Se é que algum trabalho tenha sido realizado em relação a esta fonte”, completou, fazendo questão de dizer que “não virou pai de Santo por opção, mas sim nasceu e cresceu dentro de um centro espírita, onde seu dom espiritual foi revelado muito cedo, quando ainda era uma criança, nascida de pai e mãe que também tinham o mesmo dom”.
Os trabalhos espirituais e seus resultados, segundo áudio enviado ao jornal por seu advogado, dependem de alguns fatores, “Não podendo afirmar com exatidão se foi o caso da fonte do jornal aQui”, pontuou. “O primeiro, de determinante fator, é a fé. O segundo, o merecimento. E o terceiro, entre outros, é a autorização do universo sob o comando de Deus e apenas sob a influência de alguns de seus filhos dotados e em apoio à irmandade humana”, pontua.
Pai Jonan vai além. Diz que “há pedidos, que vistos a frente, irão trazer mais sofrimento que felicidade. Considerando que há outra parte envolvida e neste caso, as forças acima mencionadas agem em um tempo que não é mais o das partes, e sim o do universo. Situação como acima mencionado já ocorreu, mas fora essas situações excepcionais em 99% dos casos que atendeu os resultados foram alcançados, pois seus trabalhos são sempre voltados para o bem e para a Justiça. Ainda que de imediato assim não sejam compreendidos, mas com o tempo a realidade acaba revelando que o melhor aconteceu”, esclarece pai Jonan de Angola.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.