Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Segunda-Feira, 20 de Maio de 2019
0
Publicado em 14/05/19, às 10:01

‘Vomitando na internet’

O que era para ser motivo de orgulho para a população voltarredondense acabou gerando inúmeros protestos e discursos de caráter revolto. Puro radicalismo. Estamos falando da reportagem publicada pelo aQui, na edição n° 1146, dando destaque – e não era publicidade, como alguns internautas chegaram a insinuar – à fotografia da doutora Cíntia Bracarense, toda sorridente, que atendeu a nada mais nada menos que o Presidente da República, Jair Bolsonaro.

 

“Uma pessoa nascida em Volta Redonda nunca atendeu a um Presidente da República”, comentou Sérgio Machado, ao postar um elogio à médica, que comanda o setor de Endoscopia Digestiva do Hospital da Força Aérea de Brasília. Outros, entretanto, postaram comentários negativos, evidenciando, segundo especialistas e psicólogos, uma crescente corrente de ódio cada vez mais notória tanto na esfera digital quanto na vida fora das redes sociais.

 

Para quem não sabe – e nem leu a reportagem -, Cíntia é natural de Volta Redonda, formada em medicina pela Universidade de Nova Iguaçu, e filha do casal Melo e Neide Bracarense, proprietários do restaurante ‘Bracarense’, um dos melhores da Colina, área boêmia da cidade do aço. Aliás, o radicalismo bobo (para não dizer outra coisa) foi marcante em alguns dos comentários negativos sobre o assunto. Um dos internautas, que se identificou como Moisés Edu Ferreira soltou a seguinte baboseira: “Bom, agora já sei onde não almoçar”, que foi curtido pela igualmente radical Renata Cris Seabra, “Jura? Nem entro mais na Bracarense”, afirmou, dando a entender que a promessa estaria ligada a Bolsonaro, que em Volta Redonda obteve 100.256 votos contra 56.080 votos dados a Haddad no segundo turno da eleição de 2018.

 

O radicalismo, que era político até então, virou rotina nas redes sociais até para fatos banais, e mostra as pessoas se digladiando, sem tentar manter um diálogo entre pessoas emocionalmente equilibradas. Em outro exemplo, pode-se observar a incoerência de Leonardo Júnior. “Ela é filha de empresários…. Tá certa! Foi para eles que o Bolsonaro foi eleito. E para eles que ele irá governar. Seria bom que os pobres ACORDAS-SEM”, disparou, dando margem para o comentário de Vera Lucia Gonçalves de Souza, que deixou clara sua divergência política. “Se fosse com o Lula, estaria batendo palmas”, comparou.

 

Entre as trocas de farpas políticas, sobrou até para o jornal. Cida Marfori, descarregando sua ira, prometeu o seguinte. “Já deixando de seguir esse jornaleco”, disparou, mostrando que não é leitora assídua do aQui.

 

De acordo com o especialista em redes sociais e CEO da MF Press Global, Fabiano Abreu, apesar das eleições presidenciais terem ficado para trás, o radicalismo dos grupos de esquerda e direita continua a influenciar os internautas, cada vez mais intolerantes. “Ignorância. Defino isso em uma palavra apenas”, pontuou, ao saber dos ataques desferidos contra Cíntia simplesmente por sair em uma foto ao lado de Bolsonaro. “Temos que respeitar as pessoas, seus ideais e  posicionamento. Não é de democracia que se fala?”, comentou.

 

Fabiano foi além. “Somos um país livre, com liberdade de expressão, sentimentos, decisões e posicionamentos”, pontuou, defendendo o ‘não radicalismo’. “Que (os internautas) não prejudiquem ao outro ou a sociedade”, disparou. “Devemos é respeitar (os demais)”, argumentou. “Analisando o julgamento (dos comentários radicais, grifo nosso), eles se preocupam demais com vida dos outros. Há uma grande chance de estarem invejando sua liberdade, seu sucesso (da médica). É uma aceitação inconsciente de covardia”, avaliou Fabiano, que também é jornalista e filósofo.

 

Ele continua. “Pessoas inseguras rejeitam a si mesmo. Pessoas confiantes sentem-se seguras, acreditam que são amadas, valorizadas, cuidadas e passam a ver beleza em tudo e todos. A soberania resultante da plenitude e certeza de que é amparado e protegido, trás a coragem para desbravar novos desafios e podemos usar como modelo de inspiração a crítica e a inveja dos que criticam, dos que julgam como trampolim para mais e mais sucesso”, analisou Fabiano.

 

Ainda de acordo com o especialista, o radicalismo nas redes sociais é uma realidade da atualidade, e as pessoas por trás de seus perfis se veem no direito de escrever o que bem entendem. Esquecem, aconselha, que os comentários postados nas redes sociais, dependendo das circunstâncias, podem acarretar problemas mais sérios. “Na rede social, cada um tem sua conta, seu perfil. O que está acontecendo é que as pessoas já não acreditam na mídia social. Não adianta o radicalismo, pois o cognitivo humano cria rejeição e o ‘radical’ passa a ser ignorado. O que (o internauta) vai preferir na vida: ser aceito ou ignorado? E, dependendo do radicalismo e das ofensas, não se deve esquecer que as ofensas podem ser consideradas um crime”, explicou.

 

Fabiano acredita que a melhor forma – tanto para a doutora Cíntia quanto para os que são agredidos na internet – de combater a intolerância nas redes socais é evitar que os ataques influenciem as vítimas. “O melhor é bloquear os comentários. Não vale a pena perdermos segundos de nossa vida nos aborrecendo por nada ou ninguém. Responder pode ser pior. A não ser que seja uma resposta racional e plausível. Mas o melhor é ignorar e bloquear”, finalizou. Ele está certo. 

 

A reportagem sobre Cíntia, publicada no dia 29 de abril, rendeu 4.032 visualizações, 50 comentários e foi compartilhada 7 vezes.

Mais uma a fazer sucesso

A arquiteta Lilian Melo Caputi, que é de Volta Redonda, integra o Coletivo Criativo, iniciativa do programa Portobel-lo+Arquitetura, promovido pela Portobello Shop, que reúne profissionais renomados para pesquisas de desenvolvimento de novos produtos. A edição deste ano leva um grupo para Berlim, incluindo Lilian.

 

Além de Lilian,  foram selecionados 22 arquitetos e designers para compor o Coletivo Criativo 2019. A viagem também conta com a presença do apresentador Pedro Andrade, novo editor do Archtrends, plataforma digital da empresa, que serve como fonte de inspiração e uma verdadeira vitrine onde profissionais de todo o país podem exibir seus trabalhos. Após a viagem, o grupo dará continuidade ao processo de cocriação com a Portobello para o desenvolvimento de uma nova linha de produtos, que será lançada em 2020.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.