Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Quarta-Feira, 26 de Junho de 2019
0
Publicado em 07/01/19, às 08:42

Vizinhos indesejados

Os atuais e os futuros moradores do Alphaville, um condomínio de luxo localizado bem próximo da Rodovia do Contorno, em Volta Redonda, gastaram um dinheirão para morar em um mundo à parte, com casas sem grades, muito verde, vizinhos (por enquanto) a uma distância segura, vigilância permanente, clube exclusivo, com piscina, campo de futebol e tudo mais. Até acesso, exclusivo e oficial, já conseguiram depois de muita briga na Justiça. Só não previram uma coisa: a força da natureza.

 

Indignados com a invasão de novos habitantes, os escorpiões – moradores originários do lugar – resolveram se vingar e estão tocando o terror por todos os cantos do condomínio de luxo. Chegam a se multiplicar aos montes nas obras das futuras mansões dos endinheirados de Volta Redonda e região.

 

Preocupados – e com razão -, os moradores do Alphaville, que ainda tem poucas casas concluídas, já estão discutindo o problema pelas redes sociais e buscam possíveis soluções. Um deles, usando um aplicativo de mensagens do grupo que adquiriu lotes para construir casas no Alphaville, hoje, em média, na ordem de R$ 400 a R$ 450 mil, diz que já foram mortos mais de 10 escorpiões só na construção da sua residência. Ele vai além. Diz que ouviu relatos de escorpiões em outras obras.  “É preciso destacar que a picada do escorpião é bastante perigosa, e pode ser fatal, principalmente, para crianças e idosos”, avisa. 

 

Na discussão para solucionar o problema, houve até quem sugerisse que fosse feita a dedetização do condomínio, que tem mais de 477 mil metros quadrados. A ideia não vingou pelo custo do serviço, e ainda pelo perigo diante da possibilidade do veneno penetrar no solo e ir parar em córregos, com um impacto ambiental negativo para a cidade do aço. Um dos moradores, mais sensato, lembrou que o motivo da invasão dos escorpiões decorre do fato de que a construção das casas no condomínio acaba espantando os predadores naturais do escorpião, e com isso, a população dos animais se multiplica.

 

Alguns moradores chegaram a sugerir a criação de galinhas no primeiro condomínio de luxo de Volta Redonda, como a galinha d’angola. Outro, que se criasse galinhas garnizé (caipiras), mas alguém ponderou que as d’angola eram melhores: “(Elas) Não cantam a madrugada toda”, defendeu, de forma muito sábia.

Pelo sim, pelo não, alguns mais precavidos estão divulgando o telefone do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da prefeitura de Volta Redonda (3339-4555, grifo nosso) para o caso de emergências, informando que o local de referência para atendimento de quem foi picado por escorpião é o Cais Aterrado.  

Opinião técnica

Aproveitando o gancho da matéria, a reportagem do aQui procurou o CCZ para falar sobre o problema no Alphaville. E os técnicos explicaram que o escorpião é endêmico naquela região de Volta Redonda – que inclui bairros como Jardim Belvedere, Vila Rica etc, todos com alta incidência dos bichos. De acordo com os técnicos do  CCZ, além disso, a região apresenta muitas obras, o que atrai os escorpiões. “Eles costumam se esconder em  depósito de materiais de construção, em tijolos, telhas e restos de madeira”, destacaram, afirmando que a criação de galinhas – não só as d’angola – realmente pode reduzir a população de escorpiões do local, já que elas são predadoras dos animais.

 

O órgão, contudo, informou ao jornal que não há registro de problemas tão graves com a infestação de escorpiões em outros locais de Volta Redonda, confirmando que em caso de picadas, o melhor lugar para buscar socorro é mesmo o Cais Aterrado, que tem estoque permanente do soro antiescorpiônico. Tomara que ninguém precise. 

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.