Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Domingo, 22 de Abril de 2018
0
Publicado em 19/01/18, às 18:33

‘Tem pra todos’

2018-01-19-PHOTO-000003421

Roberto Marinho

Certo como o Carnaval, todo início de verão brasileiro tem o pânico provocado por um mosquito. Que pode ser o Aedes aegypti, acompanhado da dengue, ou agora os Haemagogus e Sabethes, que transmitem a febre amarela silvestre. A doença é quase fatal e já fez vítimas pelo Sul Fluminense, com o registro de três mortes em Valença. No total, a cidade teve sete casos confirmados de febre amarela.

 

No Brasil, de acordo com os números divulgados pelo Ministério da Saúde, foram 35 casos confirmados, com 20 mortes, praticamente todas na região Sudeste (uma morte foi no Centro Oeste, no Distrito Federal). Outros 145 casos notificados estão sendo investigados em todo o país.  

 

Com isso, uma parcela da população foi tomada de pânico, provocado até pelos próprios prefeitos das cidades da região, o que levou os moradores a saírem correndo aos postos de Saúde para garantir a imunização contra a doença. Não foi diferente em Volta Redonda e Barra Mansa, onde as secretarias de Saúde logo aderiram à campanha de vacinação lançada pelo Ministério da Saúde.

 

Mas todos podem ficar calmos e programar a visita ao posto de vacinação mais próximo com antecedência, evitando tumultos: as duas secretarias de Saúde garantiram que há vacina em quantidade suficiente para imunizar todo o público alvo previsto. E o que é melhor, em dose única.

 

Em Volta Redonda, por exemplo, a meta é vacinar 95% da população, cerca de 223 mil pessoas. Para isso, já foram disponibilizadas 110 mil doses da vacina. Mas, até ontem, sexta, 18, existiam filas em quase todos os postos (ver foto). “Todas as unidades de Saúde (44, grifo nosso) estão abastecidas e receberão novas doses para repor o estoque de acordo com a necessidade”, disse o secretário de Saúde, Alfredo Peixoto, completando: “Não há motivo para pânico”.

 

Pelo sim, pelo não, já a partir deste sábado, 20, os postos de Saúde de 15 bairros de Volta Redonda vão abrir, em sistema de rodízio, conforme divulgado pela prefeitura. Hoje (sábado, 20), estarão funcionando – das 8 às 17 horas – as unidades do Rústico, Conforto, Jd. Belmonte, Padre Josimo, Jardim Belvedere, Sideró-polis, Água Limpa, Vila Mury, Açude II, Mariana Torres, Jd. Paraíba, Volta Grande, Caieiras, São Luiz e  Santa Rita do Zarur.  

 

No próximo sábado, 27, todas as unidades vão participar do Dia D da vacinação em todo o estado do Rio. O reforço dos postos abertos aos sábados deve durar até o fim da campanha nacional de vacinação, em fevereiro. O prefeito Samuca Silva afirmou que a medida vai facilitar a vida de quem não consegue ir aos postos no fim de semana. “Atingir maior número de pessoas e evitar as filas são os principais objetivos da nova estratégia da campanha, de disponibilizar as doses aos sábados”, disse Samuca.

 

Até agora, segundo os cálculos da secretaria de Saúde de Volta Redonda, já foram vacinadas 50 mil pessoas na cidade do aço. Para se ter uma ideia, em todo o ano passado, às vésperas do Carnaval, foram 40.451 pessoas imunizadas. Na época, o prefeito chegou a pedir que os voltarredondenses não viajassem para as áreas de risco.

Barra Mansa

Em Barra Mansa, que faz divisa com Valença, a prefeitura foi obrigada a jogar mais pesado e criou um cinturão de bloqueio vacinal na zona rural, especialmente no distrito de Nossa Senhora do Amparo, vizinho à área afetada – o distrito de Santa Isabel, em Valença. Por determinação do prefeito Rodrigo Drable, após reunião com o secretário de Saúde, Sérgio Gomes, equipes da  Saúde, com o apoio da Guarda Municipal, Vigilância Ambiental e secretarias de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural, percorreram as fazendas e sítios das áreas rurais vacinando os moradores.

 

A meta é vacinar todos os 1,5 mil moradores do distrito de Amparo para tentar impedir que a doença entre na cidade, onde pode começar a ser transmitida pelo mosquito da dengue, o Aedes aegypti, no chamado “ciclo urbano” da febre amarela. Vale lembrar que o Brasil não registra casos de febre amarela transmitida pelo Aedes desde 1942. 

 

A prefeitura também vai fazer um bloqueio na RJ-153, estrada que liga o distrito barramansense a Valença. No local, agentes da Guarda Municipal estarão orientando os motoristas e passageiros de todos os veículos que circularem pela via, encaminhando-os para a vacinação, que será feita no posto de Saúde de Amparo, das 8 às 17 horas.

 

Os postos de Saúde da cidade irão oferecer a vacinação no horário normal, das 8 às 17 horas, mas algumas unidades terão um horário especial de funcionamento, para atender principalmente as pessoas que trabalham: a UPA Centro, por exemplo, vai disponibilizar a vacina todos os dias, das 17 às 00 horas. Detalhe: o funcionário que não for trabalhar até meia-noite poderá ser punido, ameaça Rodrigo Drable. Já as unidades Sirene dos bairros Boa Sorte, Vila Nova e 9 de Abril funcionarão das 8 às 20 horas.

 

De acordo com a secretaria de Saúde, a meta é vacinar cerca de 120 mil moradores de Barra Mansa. Cerca de 30 mil já foram vacinadas, informa a pasta.

Quem deve se vacinar?

A vacina contra a febre amarela deve ser tomada por bebês a partir de nove meses de idade, até pessoas com 59 anos, além daqueles que viajarão para áreas com recomendação de vacina, neste caso com pelo menos 10 dias de antecedência da viagem.

 

Idosos maiores de 60 anos podem se vacinar, desde que tenham prescrição médica, já que existe o risco, mínimo, de haver complicações. A orientação é para que, em caso de dúvidas, se procure um médico.

 

A vacina é contraindicada para gestantes e mulheres que estão amamentando bebês menores de 6 meses, além de pessoas com alergia a algum componente da vacina e alergia a ovos e derivados. Há contraindicação ainda para pessoas que estão fazendo terapias imunos-supressoras (tratamento de câncer e contra o HIV, por exemplo), portadores de doenças autoimu-nes e HIV, transplantados de medula óssea, pacientes com histórico de doença do timo e doenças neurológicas de natureza des-mielinizante, e baixa imunidade.

 

Para estes grupos, a recomendação é que evitem viajar para áreas de risco que tenham casos comprovados de febre amarela, ou que possuem muitas matas e florestas, e que utilizem repelentes e roupas claras, com mangas compridas e fechadas, que evitem a picada de mosquitos.

Dose única X dose fracionada

Os moradores de Volta Redonda e Barra Mansa que se vacinarem na atual campanha não precisarão mais se preocupar com a febre amarela na vida – literalmente -, já que irão tomar a dose única da vacina, que dá imunidade vitalícia contra a doença. No entanto, segundo o Ministério da Saúde, a dose fracionada (0,1 ml, um quinto da dose normal, de 0,5 ml), que vai ser aplicada em algumas cidades do estado do Rio na campanha nacional contra a febre amarela, também oferece imunização, mas por menos tempo – até oito anos, segundo comprovam os estudos feitos até agora. O ministério acrescenta que estudos em andamento tentam comprovar a eficácia da dose fracionada após este período.

Portanto, quem foi vacinado antes de 2010 e tomou a dose fracionada pode estar em risco e deve procurar orientação médica.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.