Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Terça-Feira, 18 de Junho de 2019
0
Publicado em 20/05/19, às 09:34

Só para aprendizes!

Ninguém entendeu nada! O prefeito Rodrigo Drable se reuniu com representantes da Arcelor-Mittal (antiga Votorantim) e, pasmem, até prova em contrário, não conversaram sobre o ‘encerramento’ das atividades da aciaria da fábrica do bairro Saudade. Se conversaram, não divulgaram. Também não divulgaram nada a respeito das demissões que o esperado fim da aciaria provocou e ainda pode provocar. O assunto está na pauta do Sindicato dos Metalúrgicos desde abril de 2018, quando a empresa sinalizou que o desligamento do equipamento provocaria demissões na unidade de Barra Mansa. Desde então, o Sindicato busca um acordo com a Arcelor e chegou a pedir ajuda de Rodrigo Drable para garantir a manutenção das atividades na fábrica. E, claro, os empregos dos operários. 

 

Segundo informações oficiais, o encontro entre Rodrigo e a Arcelor, na segunda, 13, serviu para debater o desenvolvimento de projetos sociais da empresa no município. “Eles conversaram sobre o ‘Programa Porta de Entrada’”, diz a nota da assessoria de imprensa da prefeitura. O programa em questão conta com a parceria do Senai e oferece oportunidade de trabalho para jovens aprendizes. Ao todo, 36 barramansenses, de 18 a 21 anos, receberão capacitação técnica do órgão e aulas práticas na antiga SBM. As aulas iniciam no dia 10 de junho.

 

Outros assuntos também teriam sido debatidos, como um pagamento extra que a Arcelor fez aos trabalhadores no mês de maio. A descrição e o valor do benefício não foram revelados, mas Rodrigo teria comemorado afirmando que o dinheiro vai ajudar o comércio de Barra Mansa. O prefeito e o gerente de RH da Arcelor, Herik Marques, teriam conversado ainda sobre a ampliação de projetos sociais que atendem alunos das escolas municipais e das peças teatrais realizadas mensalmente com o apoio da ArcelorMittal Cultural (braço social da empresa).

Aciaria

Em janeiro, a ArcelorMittal decidiu, de forma unilateral, fechar a aciaria da antiga SBM e demitiu parte dos seus trabalhadores. Outra parte foi transferida para a Arcelor Resende. Na época, o Sindicato brigou pelos empregos e pediu ajuda ao prefeito Rodrigo Drable, que ficou de marcar uma agenda com o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, para tentar reverter a questão. A ajuda de Brasília foi pedida, porque o governo (através do Cade) foi quem autorizou a compra da Votorantim pela ArcelorMittal. O encontro com Rodrigo Maia ainda não aconteceu, mas o Sindicato protestou na porta da antiga SBM para chamar a atenção das autoridades.

 

Segundo Silvio Campos, presidente do Sindicato, a ideia da ArcelorMittal era (e é) suspender as atividades da Aciaria por apenas cinco meses. Em junho, este prazo vence, e não há previsão para que o equipamento volte a operar na fábrica de Barra Mansa. Uma fonte do aQui contou que com a paralisação da aciaria, a fábrica de Resende passou a fabricar tarugos e a de Barra Mansa ficou responsável só por laminá-los. “A Aciaria de Resende tem capacidade instalada infinitamente superior do que a laminação. Por isto, para a empresa é viável que uma produza e a outra lamine. Como a laminação de Resende não é tão grande, Barra Mansa tem feito este serviço melhor”, emendou.

 

Ainda de acordo com a fonte, a Arcelor realmente não pretende fechar a unidade de Barra Mansa, porque ela é estratégica dentro do plano de operações do grupo. Porém, é uma fábrica antiga, que demanda altos investimentos para ser modernizada. A solução encontrada, continua a fonte, foi fechar a Aciaria de Barra Mansa – obsoleta e com custo alto de produção – e usar a de Resende.

 

Rodrigo Drable sabe disto. Tanto é que na primeira oportunidade que teve de se encontrar com representantes da Arcelor, em seu gabinete, não questionou as mudanças operacionais envolvendo a aciaria. Pelo contrário, agradeceu a presença e o apoio da empresa em Barra Mansa. “Agradecemos todo apoio que a ArcelorMittal traz para o município e esperamos que a partir da retomada do desenvolvimento do país a empresa retome o processo de novas contratações profissionais no município”, concluiu.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.