Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Sexta-Feira, 23 de Junho de 2017
0
Publicado em 27/03/17, às 08:32

Se Pezão ajudar…

DSCN3156_SITE

Mateus Gusmão

Das 92 cidades do estado do Rio, os fluminenses de 64 delas estão para lá de felizes. Isso porque, em breve, todos serão imunizados contra a febre amarela, doença que vem deixando a população de cabelo em pé. Elas foram escolhidas, segundo o secretário estadual de Saúde, Luiz Antônio, em função do risco de circulação do vírus. Um desses municípios é Casemiro de Abreu, onde cinco casos de febre amarela já foram confirmados e duas pessoas morreram contaminadas. Do Sul Fluminense, entretanto, apenas Quatis e Itatiaia já entraram na lista. 

 

“Nossa previsão é que em um prazo de sete a dez dias todos os 64 municípios estratégicos deverão ter doses suficientes para imunizar completamente sua população. A partir daí, podemos expandir a vacinação para a capital e região metropolitana, de forma gradativa, visando imunizar todo o público-alvo do estado até o fim deste ano”, detalha o secretário Luiz Antônio, dando ênfase (desnecessária, por sinal) ao grande Rio.

 

 Como Volta Redonda e Barra Mansa, entre outras, ficaram fora da lista de cidades com prioridade, a expectativa é que somente em outubro todos os 280 mil voltarredondenses, por exemplo, possam dormir tranquilos. Isso se o governo do Estado ajudar. Pelo menos é o que informou a superintendente de Vigilância em Saúde, Flávia Lipke. Em entrevista exclusiva ao aQui, Flávia dá conta que já foi solicitado ao governo do Estado o envio de 40 mil doses de vacinas por mês para a cidade do aço. Se for atendida a solicitação, em sete meses, diz, toda a população estará imunizada. “Essa é nossa expectativa, de que em sete meses a gente consiga imunizar todos os moradores”, pontuou, salientando que o estado está liberando as doses conforme a lista de prioridades. “Volta Redonda não tem o vírus circulando”, pondera, aliviando as críticas que possam surgir contra o governo Pezão.

 

Caso Pezão envie realmente a carga de 40 mil vacinas mensais para Volta Redonda, a secretaria de Saúde já pensa em levar a imunização contra Febre Amarela para todos os bairros. “Com essa quantidade, a gente conseguiria ampliar a vacinação para as 44 Unidades Básicas de Saúde, descentralizando a imunização”, comentou Flávia, ressaltando que até o momento  não obteve uma resposta positiva do Estado. “A gente não consegue levar a vacinação para todos os bairros porque a quantidade de vacina (que recebe) é pequena. E levando para as UBSFs vamos aumentar a procura”, salienta.

 

Hoje, Volta Redonda continua recebendo um número pequeno de vacinas por semana. E a procura continua muito maior. Prova disso é que na terça, 22, centenas de pessoas madrugaram na fila da Unidade Básica de Saúde do Jardim Paraíba buscando a imunização – principalmente após o anúncio das primeiras mortes por febre amarela no estado. “Conseguimos imunizar essa semana mais de duas mil pessoas”, destacou Flávia Lipke, referindo-se à vacinação de 1.250 pessoas na terça, 21, e outras mil na quinta, 23. “Acho importante dizer que, pela quantidade, estamos fazendo um acolhimento na fila tentando dar prioridade para quem vai viajar para áreas de risco”, completou.

 

Flávia, entretanto, faz questão de salientar que não há motivos para pânico. Isso porque não há casos de febre amarela confirmados em Volta Redonda. “Quem não for viajar para áreas de risco ou para o exterior não precisa correr para se vacinar. Até porque a vacina também pode gerar efeitos colaterais. Não é verdade que temos casos confirmados aqui na cidade, como chegou a circular pelo Facebook”, pontuou Flávia, referindo-se aos casos de dois jovens que morreram no Hospital do Retiro – um de 22 e outro de 17 anos. “A avaliação clínica dos dois é que não eram casos de febre amarela. Mas enviamos para um laboratório renomado para ter a comprovação laboratorial sobre os motivos das mortes. Tudo indica que um caso pode ser de leptospirose e outro de ingestão de medicamento errado”, sublinhou.

Sangue por vacina – troca justa em BM

Essa é uma boa iniciativa, que poderia ser copiada nas cidades da região. A secretaria de Saúde de Barra Mansa, através de uma parceria entre o Hemonúcleo local e o setor de Imunização da pasta, começou na quarta, 22, uma campanha para aumentar o número de doadores de sangue e reduzir a fila na vacinação contra a febre amarela. Assim, quem for doar sangue terá prioridade para receber a vacina contra a febre amarela.

 

Para quem não sabe, o Hemonúcleo registrou uma queda de 44% nas doações de sangue desde janeiro. E um dos motivos seria o aumento na vacinação dos barramansenses, já que os doadores ficam impedidos de doar sangue por no mínimo quatro semanas. De acordo com o coordenador do Hemonúcleo, Sérgio Murilo, em janeiro foram feitas 403 doações, em fevereiro 361 e em março apenas 267. “Quem toma a vacina tem que esperar pelo menos quatro semanas para doar sangue. Como no carnaval muita gente viajou para áreas endêmicas, houve aumento na vacinação e, consequentemente, aconteceu a redução no número de doações”, destacou.

 

Tem mais. O setor de Imunização informa que a procura pela vacina contra a febre amarela continua com a mesma intensidade do período pré-carnaval. De acordo com o setor, a vacinação segue normalmente às terças e sextas, com a distribuição de 100 senhas por ordem de chegada, das 8 às 13 horas. Durante a semana haverá um dia específico, previamente agendado, para os doadores de sangue se vacinarem com prioridade. O Hemonúcleo funciona de segunda a sexta, das 7 às 11 horas.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.