Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Segunda-Feira, 15 de Julho de 2019
0
Publicado em 14/05/19, às 08:46

Portas Abertas

O Palácio Guanabara, sede do governo do Rio de Janeiro, que completou 93 anos de vida na última terça, 7, reabriu suas portas para visitação e, total-mente reformulado, receberá inicialmente alunos de escolas públicas estaduais. A iniciativa, que resgata a história do Rio de Janeiro e do país, reocupa o seu lugar no roteiro cultural do Rio. A primeira visita após a reformulação contou com a participação de alunos com deficiência intelectual do Colégio Favo de Mel, vinculado à Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec).

 

“Estamos retomando as visitas ao Palácio Guanabara. A nossa ideia é que, além de fazer as visitas guiadas no setor de educação, possamos, em breve, ampliar esta proposta para turistas. E mais do que isso: a nossa intenção é abrir as portas do Palácio Guanabara nos finais de semana para eventos artísticos e culturais com participação da comunidade. O governador sempre diz que o palácio não é dele, é do povo”, afirmou o secretário da Casa Civil e Governança, José Luís Zamith.

 

 O projeto ‘Palácio Guanabara de Portas Abertas’ é uma parceria da secretaria da Casa Civil e Governança com as secretarias de Ciência, Tecnologia e Inovação, e de Educação. “É um orgulho poder reiniciar este projeto, que reuniu diversos parceiros, com crianças especiais de uma escola da Faetec, fundação vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação. Já temos cronograma de visitações programadas até o dia 29 de maio. Na semana que vem, será divulgado o novo período de inscrições”, afirmou a coordenadora geral do projeto e assessora especial da subsecretaria de Administração da Casa Civil, Glauce Fernandes.

 

Alunos do Curso Técnico em Guia de Turismo da Faetec foram capacitados para serem os guias das visitas, que também contam com a participação de funcionários da sede do governo. “Entendemos que este projeto é de grande relevância para a fundação, porque proporciona aos nossos alunos do curso de Guia de Turismo a oportunidade de praticar o que eles vivenciam em sala de aula”, disse o vice-presidente educacional da Faetec, Rogério Pires.

 

 No roteiro da visitação estão: fachada, Salão Nobre, Salão Verde, Salão Pé de Moleque, Jardim interno, Jardim de Inverno, jardins do Palácio e Capela Santa Teresinha. O circuito tem duração de uma hora.

Construção e história 

Construído em 1853, em estilo neoclássico, o Palácio foi, durante o Império, a residência da princesa Isabel, herdeira da Coroa, e seu marido, o Conde D’Eu. O Palácio Guanabara era então conhecido como Paço Isabel.

 

Em 1890, a construção foi declarada patrimônio nacional e recebeu seu nome atual, Palácio Guanabara. No decorrer dos anos, foi moradia oficial de presidentes da República, como Marechal Hermes da Fonseca, Getúlio Vargas e Eurico Gaspar Dutra, último a viver no palacete, na década de 40. A partir de 1946, o palácio passou a abrigar a Prefeitura do Distrito Federal até a criação do Estado da Guanabara, em 1960. Desde então, a construção se tornou sede do governo do Estado e recebeu governadores.

 

Atualmente, a construção mantém características centenárias que conferem beleza especial ao local. No caso do jardim, o desenho foi idealizado pelo paisagista francês Paul Villon, no começo do século 20, e se mantém intacto até hoje. No local, está o chafariz de Netuno, pequeno lago com a estátua do deus da mitologia romana que foi desenvolvida pela Fundição Val d’Osne, mais importante fundação do século 19, localizada na França. O jardim também é adornado por alamedas de palmeiras imperiais e árvores frutíferas exóticas, como mangueira, caqui-preto, pêssego-da-Índia e olho-de-dragão.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.