Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Quinta-Feira, 27 de Junho de 2019
0
Publicado em 28/01/19, às 08:37

PM de aço

Por Roberto Marinho

Segunda, 21, foi um dia especial para os policiais militares do 28O Batalhão de Polícia Militar: pela primeira vez na história, o Batalhão do Aço, responsável pela segurança de Volta Redonda, Barra Mansa e Pinheiral, será comandado por uma mulher, a tenente-coronel Luciana Rodrigues de Oliveira. A oficial comandava o Batalhão de Policiamento de Áreas de Turismo (BPTur), no Rio de Janeiro, e assumiu o lugar do comandante interino, major-PM Anderson Araújo da Silva. Este, por sua vez, substituiu por 10 dias o ex-comandante do 28o BPM, tenente-coronel Júlio César Veras Vieira.

 

Vieira deixou o batalhão no início de janeiro para assumir o comando da Unidade Prisional da PM, em Niterói – local onde está detido o ex-governador Luiz Fernando Pezão – assim que o novo governador, Wilson Witzel, assumiu o cargo. O ex-comandante do 28o BPM deixou uma mensagem para a sua sucessora, que foi lida na ordem do dia durante a cerimônia de passagem de comando. “Passar o comando para a minha amiga e veterana tenente-coronel Luciana faz desse momento muito mais que especial: o apreço e a admiração que tenho por ela são grandes e me fazem acreditar no seu pleno êxito à frente dessa importante unidade de nossa corporação”, pontuou o ex-comandante. 

 

A cerimônia de passagem de comando foi presidida pelo comandante do 5o CPA (Comando de Policiamento de Área), coronel Cléber Silva Maia, que ressaltou o fato de a Polícia Militar, depois de 20 anos, voltar a ser uma secretaria de Estado, o que, segundo ele, gera “expectativas muito grandes”. Maia agradeceu Luciana por ter aceitado prontamente o convite de Witzel para comandar o 28o BPM, e lembrou que a tenente-coronel já trabalhou, por sete anos, em Resende (37o BPM) e ainda diretamente com o próprio Maia, quando ele foi diretor Geral de Pessoal da Polícia Militar.

 

“Muito admiro a tenente-coronel Luciana, por diversos atributos: além da inteligência, da competência, ela tem minha total confiança. E tem outro atributo nela que eu admiro demais, ela é extremamente persistente. Tenho certeza que você (tenente-coronel Luciana) brilhará aqui no 28o Batalhão. Já está fazendo história, por ser a primeira mulher no comando do batalhão”, comentou o comandante do 5o CPA.   

 

Luciana – que tem 24 anos de Polícia Militar – destacou que seria “um desafio” comandar o 28o BPM, mas entende que o encara como qualquer outro que teve na carreira. Além disso, afirmou que não há diferença pelo fato dela ser mulher. “Apesar de estarmos no meio militar, na corporação não há distinção entre homens e mulheres, e a confiança que vem sendo depositada pelo comando em mim, ao longo de todos esses anos, é muito gratificante. O fato de estar aqui é sinal que tenho alguma coisa, pelo menos competência. Conto com o apoio da sociedade. Trabalhei muito tempo aqui no interior, sei que aqui as pessoas são diferentes, abraçam a cidade, e isso é a melhor coisa para a gente trabalhar com segurança pública”, destacou.

 

A nova comandante afirmou que está acompanhando as metas da secretaria de Estado de Segurança Pública, e que planeja agora estudar junto com o batalhão e a delegacia de Polícia Civil o que está acontecendo na região e trabalhar para reduzir estes crimes.   “Desde que eu soube que ia vir para cá, estou acompanhando como estão as três cidades – Volta Redonda, Barra Mansa e Pinheiral. Já temos uma noção de como estão as cidades e do trabalho que está sendo feito. Agora temos que saber quais são os pontos críticos para atuar”, afirmou.

 

Luciana também respondeu ao aQui sobre o enorme aumento no número de roubos a residências em Volta Redonda – de 223%, passando de três para dez ocorrências em menos de um ano – e disse que vai atuar com o Serviço de Inteligência da PM para identificar se há uma quadrilha especializada realizando estes crimes. “Gostaria que a população não ficasse alarmada, a Polícia Militar não trabalha só com ostensividade, mas trabalha em conjunto com a Inteligência, com as delegacias. Porque se descobrirmos o modus operandi (modo de agir), se conseguirmos chegar à quadrilha, nessas pessoas que estão fazendo esse tipo de ação, vamos prendê-los e diminuir muito essas ocorrências”, disse ela, que completou: “A população pode ficar tranquila, porque a Polícia Militar não descansa”.

 

A comandante do 28o BPM também afirmou estar ciente da possível migração de bandidos da capital para o Sul Fluminense e, para ela, isso não é incomum. “Nós temos meios de acompanhar isso, e estamos preparados caso isso ocorra aqui na região”, disse. 

Currículo

A nova comandante do 28o BPM afirmou que “tem mais de 54 anos” de Polícia Militar. Como se recusou – meio brincando, meio sério – a revelar a idade, a tenente-coronel Luciana explicou que não errou nas contas, mas levou em consideração seu tempo na PM por causa do pai, também oficial da corporação, que chegou a coronel. “Eu vivo essa farda há muito tempo, desde que me entendo por gente”, disse ela, que tem um currículo bastante extenso. Luciana se formou oficial em 1997, passou pelo curso de aperfeiçoamento de oficiais em 2006, e concluiu o curso superior de Polícia em 2016. Também consta no currículo da nova comandante do 28o BPM o curso básico de tiro policial, além dos cursos de polícia judiciária militar, investigação e perícia criminal, gerenciamento de crise e negociação com reféns.

 

Ela também foi chefe do Centro de Educação Física e Desportos (CEFD) da PM, entre 2012 e 2016, e diretora da Diretoria de Pessoal da Ativa no ano de 2017, além de comandar o Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas, na cidade do Rio de Janeiro, durante 2018. Fora da Polícia Militar, Luciana é graduada em Educação Física, pós-graduada em Fisiologia do Exercício e avaliação funcional, e em treinamento desportivo.

 

Diversas autoridades da região participaram da cerimônia de posse da nova comandante do 28o BPM, entre elas o prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, o de Barra Mansa, Rodrigo Drable, o de Rio Claro, José Osmar, além do comandante da Guarda Municipal de Volta Redonda, Paulo Henrique Dalboni, do delegado adjunto da 93ª DP (Volta Redonda), Rodolfo Atala, do comandante do 33º BPM de Angra dos Reis, tenente-coronel Marcelo Martins, e outros.

Convite

 Ao participar da posse no 28º, Samuca se colocou à disposição de Luciana, assim como já tinha feito na 93ª DP, comandada pelo delegado Franquis Dias Nepomuceno. “Garantir a segurança da população é responsabilidade de todos. A estrutura da prefeitura está à disposição das forças do estado”, disse, citando o projeto Cerca Inteligente, que será desenvolvido neste ano pela UFF em parceria com a EPD (Empresa de Processamento de Dados), e prevê o vídeo-monitoramento de todas as entradas e saídas, além das principais vias, de Volta Redonda.   

 

Samuca anunciou ainda a realização de uma reunião entre as forças de segurança (ver box). “Quero unir as forças de segurança e colocar a prefeitura de Volta Redonda à disposição dos órgãos para colaborar no que for preciso. Mesmo sabendo que a competência sobre a segurança pública é do Governo do Estado, a prefeitura deve ajudar”, justificou.

 

Na última semana, por exemplo, por determinação de Samuca, todos os guardas municipais que fazem serviços administrativos, passaram a atuar em patrulhas ostensivas pela cidade, e a prefeitura prometeu pagar o RAS (Regime Adicional de Serviço) para os GMs, buscando ter mais agentes nas ruas.

 

Luciana Rodrigues gostou e disse a Samuca que era uma honra estar à frente do 28º Batalhão do Aço e retornar ao interior. “Sinto uma cumplicidade entre os policiais e a comunidade. Isso é importante para a eficácia do trabalho”, avaliou.

 

‘Sem arrastão’

A reunião realmente aconteceu. Foi no Palácio 17 de Julho e estiveram presentes a comandante  Luciana Rodrigues, o coronel Maia (do 5° Comando de Policiamento da Área da Polícia Militar), o delegado Franquis Nepomuceno, além do comandante da GM, Paulo Henrique Dalboni. Na pauta: a ação dos bandidos na cidade do aço que, a cada dia que passa, ficam mais audaciosos, insolentes, agressivos e contam com o pequeno efetivo das forças de segurança.

 

“Gostaria de colocar a prefeitura à disposição dos novos comandantes e do delegado. Queremos oferecer um serviço de qualidade. A cidade conta com uma estrutura como a do Ciosp, que é de responsabilidade da Guarda Municipal. Em breve, vamos lançar uma cerca inteligente, um projeto pioneiro com a Universidade Federal Fluminense (UFF). Nosso objetivo é melhorar a vida da população”, justificou Samuca.

 

Não vai ser fácil. Em 2019, por exemplo, o município já contabiliza vários roubos a residências, como no Jardim Normândia e Laranjal, bairros nobres de Volta Redonda. Em um deles, os bandidos chegaram a ironizar a placa de uma ‘Rede de Vizinhos’ que está sendo implantada em vários bairros, inclusive no que o prefeito mora. “A gente entra onde quiser, na hora que quiser”, disparou o malfeitor à atônita moradora.

 

Em outras localidades, mais afastadas, as redes sociais disparam boatos de arrastões pela Água Limpa. Não chega a tanto. Em um deles, por exemplo, quatro bandidos roubaram dois veículos na entrada do bairro, onde existe um quebra-molas e os motoristas passam com velocidade reduzida. Bem diferente das imagens que passam na TV da ação de centenas bandidos promovendo arrastões pelas praias da cidade maravilhosa. Ou em túneis ligando bairros tradicionais do Rio de Janeiro.      

 

Apesar da disparidade, a insegurança pelos bairros está aumentando. A paranoia também. Nos últimos dias, grupos internautas passaram a postar fotos dos ‘suspeitos’ que estariam praticando os roubos a residências em Volta Redonda. Outros avisam aos amigos para não entrarem em um Fiat Idea branco. Motivo: o motorista do Uber estaria praticando assaltos em todas as corridas. “Cancelem a corrida. Este cara está assaltando os passageiros”, denunciam. O engraçado é que, mesmo cientes dos boatos, as autoridades até agora não se preocuparam em confirmar ou desmenti-los, principalmente o que apresenta as fotos dos suspeitos.  

 

Comandando o Batalhão do Aço, a tenente-coronel Luciana Rodrigues destacou a parceria com a Guarda Municipal de Volta Redonda. “Estamos à disposição e sei do trabalho que a Guarda Municipal realiza em Volta Redonda. É muito importante essa parceria, que será muito eficaz para o trabalho. Contamos também com a participação das lideranças da sociedade e do poder público. A informática é um braço a mais no trabalho da segurança”, avaliou, segundo release enviado pelo Palácio 17 de Julho. Devia estar se referindo às câmeras de segurança operadas pela GM.   

 

Já o delegado Franquis Nepomuceno, que também assumiu a 93ª DP com a posse do novo governador Wilson Witzel, estreitar os laços com o Poder Público pode facilitar o seu trabalho. Ele aproveitou para falar sobre o boato do arrastão na cidade do aço. “Já identificamos os envolvidos. Não foi um arrastão, mas uma série de roubos realizados. Algumas informações foram passadas para criar um desespero na população”, enfatizou.

Luiz Henrique

O comandante da Guarda Municipal, Paulo Henrique Dalboni, que voltou a participar das reuniões no Palácio 17 de Julho, deu seus pitacos. “Agimos 100% com a comunidade e isso é uma referência para outras Guardas Municipais. Temos um olhar mais avançado e contamos com um prefeito que também se preocupa com a cidadania. Estamos à disposição para ajudar e colaborar na segurança da cidade”, contou, sem saber de um pequeno grande detalhe: seu antecessor, o major PM, Luiz Henrique, que comandou a GM de Volta Redonda com mãos de ferro durante os últimos anos do governo Neto, está de volta. Faz parte da equipe do 5º Comando de Policiamento de Área (CPA). “Feliz por retornar a Volta Redonda na função de Subchefe Operacional do 5º Comando de Policiamento de Área”, escreveu em sua página do Facebook.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.