Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Terça-Feira, 10 de Dezembro de 2019
0
Publicado em 23/09/19, às 09:26

O sumiço das abelhas

Por Edson Quinto

 

Faltando uma semana para o início da primavera, a estação das flores, nos deparamos com uma triste notícia, que tem relação direta com essa época: a morte de cerca de 50 milhões de abelhas em Santa Catarina, envenenadas por agrotóxicos. A mortandade aconteceu em janeiro deste ano, e a causa foi revelada agora, depois de uma investigação do Ministério Público catarinense. O principal suspeito é um um inseticida – o fipronil – que foi usado em lavouras de soja da região.  

Apesar do fabricante atestar que o produto é seguro se usado de forma correta, o fipronil é proibido em diversos países, principalmente porque afeta diretamente as abelhas, atacando o sistema nervoso central dos animais. O detalhe é que Santa Catarina é o maior exportador de mel do Brasil, com um mercado estimado em pelo menos 15 milhões de dólares, e tem 90% da produção certificada como orgânica.

Com a morte em massa dos insetos, os produtores temem um colapso no mercado de mel catarinense, um risco real para o setor. Mas não é só a produção de mel que pode ser afetada. Outras culturas do estado, como a de maçãs, também podem sofrer o impacto da morte das abelhas, que são usadas na polinização das macieiras. O mercado de “aluguel de abelhas” no cultivo de maçãs movimenta cerca de R$ 3,2 milhões por ano em Santa Catarina.

A morte de abelhas, principalmente pelo uso de agrotóxicos, é um problema no mundo inteiro, e um sinal de alerta sobre a interferência do ser humano no meio ambiente. Um impacto direto disso é na polinização das plantas, sejam na natureza ou em cultivos. O descompasso entre os polinizadores – abelhas, morcegos e outros animais – e os vegetais pode quebrar um ciclo natural, com consequências imprevisíveis. Um dia, infelizmente, talvez vejamos uma primavera sem flores por causa disso.

Vamos nos mobilizar para que isso não aconteça.   

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.