Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Terça-Feira, 12 de Dezembro de 2017
0
Publicado em 15/05/17, às 08:23

Na raça

Mateus Gusmão

DSCN3268

Não é de hoje que o tema segurança pública vem preocupando a população do Rio de Janeiro. Muito pelo contrário. Desde que o governo do Estado praticamente faliu, salários de policiais, 13º, férias e gratificações deixaram de ser pagos ou foram parceladas a perder de vista.  O que só aumenta a insegurança na população. Não é para menos. A Polícia Civil e a Militar usam armamento defasado, viaturas sucateadas, e até sem gasolina, entre outros. Isso sem falar no efetivo das corporações, que é menor do que o ideal. Na semana passada, como o aQui mostrou, 29 PMs foram transferidos para a Baixada Fluminense para, pasmem, patrulhar o comércio de Mesquita e Nova Iguaçu. Além deles, outros 31 de cidades vizinhas também foram obrigados a pegar a Via Dutra para aumentar a segurança do Grande Rio.

 

Apesar das dificuldades, as forças de segurança que atuam em Volta Redonda e Barra Mansa continuam apresentando números surpreendentes. Para se ter uma ideia, apenas na cidade do aço, 203 pessoas foram presas, em flagrante ou com mandado de prisão, nos três primeiros meses do ano. Em Barra Mansa foram 136 prisões. Tem mais. A PM e a Civil, por 126 vezes, apreenderam entorpecentes em Volta Redonda e 68 vezes em Barra Mansa. Em termos de armas de fogo, foram apreendidas 27 em VR e 15 em BM. Os dados foram levantados pelo aQui junto ao Instituto de Segurança Pública do Rio (ISP-RJ).

 

Os números mais surpreendentes, entretanto, são de 2016. Durante todo o ano passado foram presos 1.103 suspeitos em Volta Redonda e 653 em Barra Mansa. Somando as prisões, a média é de 150 presos por mês. Isso sem contar a apreensão de adolescentes e crianças (confira a tabela completa abaixo). Como não poderia deixar de ser, quem comemorou os dados foi o delegado Eliezer Lourenço, da 93ª Delegacia de Polícia. E um dos motivos, segundo ele, é que a maioria dos policiais que atuam na cidade do aço é de Volta Redonda.

 

“Hoje eu tenho 36 policiais trabalhando na delegacia – em 1990 eram cerca de 90 policiais. Mas a maioria é de Volta Redonda e, portanto, tem um compromisso grande com a cidade. O mesmo acontece com a PM. Esses agentes estão preocupados com o município porque sabem que suas famílias, suas mães e eles próprios moram em Volta Redonda”, comentou o delegado Eliezer, ressaltando que há meses as forças de segurança estão trabalhando com uma dedicação extra.

 

O delegado foi além. Lembrou que as forças de segurança, além de estarem com efetivo menor, estão com salários atrasados. “Estamos trabalhando mesmo sem ter recebido o 13º salário, a RAS (gratificação) e o próprio salário desse mês. E nem sabemos se vamos receber esse mês. Estamos na base da dedicação, na vocação”, destacou, salientando que está faltando até material básico na delegacia. “E precisamos dar publicidade a esses problemas”, completou.

Falta de efetivo

A falta de efetivo nas forças de segurança que atuam em Volta Redonda, a má condição de serviço e a transferência dos 29 PMs para a Baixada Fluminense, foi motivo de um encontro na Câmara de Volta Redonda, a pedido do presidente da Casa, vereador Sidney Dinho (PEN). Estiveram presentes representantes da Polícia Civil, Polícia Militar, Guarda Municipal, vereadores e empresários. Ao final da reunião ficou acertado que será formada uma comissão para reivindicar junto ao governador Pezão (PMDB) o retorno dos agentes. “Estamos travando uma luta contra essa transferência. Esses policiais vão para o 20º BPM, em Mesquita e Nova Iguaçu, para patrulhar o comércio”, destacou Dinho, sem saber que mais ou menos naquele momento, em Campos, uma ação já tinha sido tomada e merece ser seguida.

 

Por determinação do juiz Eron Simas do Santos, da 4ª Vara Cível de Campos, 40 PMs do 8º BPM não poderiam ser transferidos – como os de Volta Redonda foram – para atuar na segurança de cidades da Baixada Fluminense. A decisão frustrou os planos do governo Pezão de usar o efetivo de Campos na Operação Presença. Em sua decisão, o magistrado alegou que a PM estava com efetivo reduzido e o deslocamento dos PMs iria afetar ainda mais a segurança de quem mora em Campos dos Goytacazes. Se o governo do Estado não cumprir a ordem Judicial terá que pagar uma multa diária de R$ 10 mil.

 

A determinação do juiz de Campos serviu de base para que o presidente da Câmara, Sidney Dinho, também buscasse a Justiça para obter o retorno dos 29 PMs de Volta Redonda. Na quinta, 11, ele esteve na Defensoria Pública para provocar o órgão. Conseguiu., tanto que a Defensoria ingressou com ação na 6ª Vara Cível da cidade do aço pedindo para que a transferência seja cancelada. Até o fechamento desta edição, entretanto, a Justiça ainda não tinha apreciado o pedido. O que pode ocorrer a qualquer momento.

Alerta

Durante a reunião da Câmara, o vereador Dinho lembrou que a transferência dos PMs seria por apenas 90 dias. Só que ele mesmo fez questão de alertar a todos o risco que a decisão pode provocar: “Se a gente não fizer nada, eles nunca mais vão voltar para Volta Redonda. Temos hoje patrulhando as ruas da cidade cerca de 250 policiais. E agora eles nos tiram quase 30, quase 10%”, completou Dinho, aproveitando para lembrar que a transferência dos PMS para a Baixada Fluminense teria sido feita pelas entidades empresariais de Nova Iguaçu. “Aqui essas entidades (CDL e Aciap) existem também. Temos que demonstrar a força da nossa região, e mostrar que jamais aceitaremos essa situação”, completou Dinho.

 

Ele foi além. Disse que o comandante geral da PM, Wolney Dias, teria afirmado que a transferência, na opinião dele, não iria afetar a segurança pública da cidade do aço porque seria feita uma alteração na escala dos policiais. E que a Volta Redonda teria uma sobra de efetivo. “Não existe sobra de efetivo. Nunca vi um comandante de batalhão dizer que tem efetivo suficiente, quanto mais excesso. Com o aperto da escala, se os policiais trabalhavam em escala de 24 horas em serviço por 72 de folga, passarão a trabalhar 24 horas e ficar apenas 48 de folga”, comparou Dinho. “Eu ouvi o comandante-geral dizer que não adianta nem falar com o governador Pezão sobre isso que ele não vai voltar atrás. Ué, quem manda no governo?”, indagou Dinho, de forma bem irônica, por sinal, prometendo até vai relatar o que ouviu a Pezão. “Vamos ver quem manda”, disparou.

 

Durante a reunião, os vereadores Carlinhos Santana e Fernando Martins destacaram que o deputado estadual Edson Albertassi (PMDB) vai marcar o encontro da comissão da cidade do aço com o governador Pezão. “Temos que envolver, além das entidades empresariais, outras entidades, como o Sindicato dos Empregados do Comércio e outros sindicatos. Esse assunto afeta a todos”, avaliou Carlinhos Santana.

Representando o prefeito Samuca Silva – que estava em Brasília –, Joselito Magalhães, secretário de Desenvolvimento e presidente da Aciap-VR, lembrou que os empresários da cidade já ajudavam a PM na manutenção de viaturas tanto que teriam criado um Fundo de Apoio à Segurança Pública (Fasp). “Esse Fundo, em tese, duraria apenas três meses, mas resolvemos estender”, destacou o empresário sem entrar em maiores detalhes.

 

O Fasp, entretanto, não tem servido para muita coisa não. É que apenas cinco lojistas de Volta Redonda estariam contribuindo para o fundo. Quem garantiu isso foi o tenente PM Mouzinho, que representou a corporação na reunião. “Cria-se o fundo, mas quando vamos ver, só cinco ou seis lojistas estão ajudando. Temos 16 viaturas. Hoje os próprios policiais estão pagando a manutenção, por exemplo. Temos uma realidade dura. Muitas demissões e os índices de criminalidade são alarmantes”, destacou, mostrando que a corporação precisaria de muito mais apoio da classe empresarial, que é a que mais reclama da falta de segurança.

 

O comandante da Guarda Municipal, Paulo Dalboni, por sua vez, disse que a GM pode colaborar – desde que tenha efetivo. “Em algumas cidades de São Paulo, como Paulínia e Campinas, a Guarda Municipal atua como agente de segurança, em conjunto com a PM. Podemos fazer isso aqui. Já coloquei, por exemplo, nossos GMs que podem trabalhar armados para atuar no comércio. Mas acabamos perdendo por outro lado, já que tenho que tirar de algum lugar. Tenho um efetivo menor do que quando entrei e minha corporação está envelhecida, mas podemos ter um papel mais proativo”, completou, dando a entender que, caso o governo Samuca promova um concurso público, a corporação poderá atuar mais na segurança.

tabelasite

 

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.