Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Terça-Feira, 16 de Julho de 2019
0
Publicado em 24/06/19, às 10:20

‘Meu luto é trabalho’

O final de semana não foi dos melhores para Samuca Silva e nem para seus familiares, com a morte de ‘seu Benício’, patriarca da família. Abatido, o prefeito apareceu para abrir as portas do Palácio 17 de Julho, na manhã de segunda, 17, um dia depois de ter sepultado o pai no túmulo da família no cemitério de Rio Claro. Cumpriu, inclusive, uma extensa agenda de trabalho. “Ontem (segunda), às 7 horas, eu já estava na prefeitura. Pedi licença pra minha família, mas o meu luto é trabalho”, pontuou, em entrevista ao radialista Betinho Albertassi na manhã de terça, 18. “(Foi) da forma que ele sempre me educou”, acrescentou.
Seu Benício, pai de Samuca, morreu na noite de sábado, 15, no Hospital São João Batista. Deixou viúva (Dona Marlene Silva) e, além de Samuca, mais dois filhos: Emerson e Emílson. “É difícil, né? (ele estava) 14 dias no hospital, e os últimos sete passou no CTI, como qualquer cidadão de Volta Redonda, que paga seus impostos com dificuldade”, contou o prefeito, lembrando do que aconteceu nos últimos dias. “Ele era um paciente cardíaco e no domingo (9) em que ele foi internado, ele desmaiou e nós decidimos levar ele para o hospital. Ele entrou no Hospital São João Batista e esperou por uma vaga, como qualquer cidadão”, detalhou.
Quero agradecer imensamente à equipe do São João Batista: eles são verdadeiramente campeões. As pessoas não têm ideia como eles se dedicam”, ponderou. “Tenho que agradecer à equipe, não pelo meu pai, mas pela dedicação que eles têm para com a saúde de Volta Redonda, em atender o cidadão da nossa cidade. (Quero) Agradecer minha equipe, que foi solidária nesse momento, mas a vida não para”, ponderou. “Continuamos aí, muito tristes. Enfim, a vida continua”, acrescentou.
Samuca aproveitou o drama vivido pela família, que é a perda de um ente querido, para usar como um exemplo político. “Podem falar mal, o que for. A gente sabe que tem muito dedo da oposição nessa questão (política), principalmente na Saúde. O cidadão vivencia muitos problemas, mas a gente vê a vontade da equipe de querer resolver”, disparou. “Você pode estar no hospital particular, mas quando o calo aperta a gente vai pro São João Batista”, comparou.
Samuca foi além. “Quando dói e quando efetivamente se precisa de um suporte, é ao São João Batista que todos recorrem… Isso é uma realidade”, afirmou, garantindo estar ciente dos problemas na unidade. “É obvio que em um hospital 24 horas acontecem problemas; existe o aumento no atendimento. Mas, de forma geral, o atendimento do São João Batista está mais rápido. Isso quem fala são os usuários”, comparou, garantindo que em ocasiões em que os pacientes são transferidos para hospitais privados, ele, como prefeito, recebe ligações de autoridades pedindo para manter os pacientes no São João Batista. “Mas não tem como! Temos que seguir o protocolo do Ministério da Saúde, pois o São João Batista é referência. A Saúde de Volta Redonda é referência em nível estadual”, diz, todo orgulhoso.
“Cada vez mais as pessoas procuram Volta Redonda, e eu não fico de ‘mi mi mi’. Mas, enfim, temos que atender quem é de fora, pois está na Constituição Federal”, justificou, referindo-se ao fato da unidade atender pacientes de cidades vizinhas. “Tenho que agradecer a essa equipe incansável que se dedica cada vez mais para fortalecer o São João Batista para o que ele nasceu: que é urgência, atendimento de prontidão, cirurgias imediatas. Essa é a especialidade do São João Batista”, destacou.
“Com o Santa Margarida (que a prefeitura adquiriu e ainda não reabriu), nós vamos retirar do São João Batista, por exemplo, o que é clínica, o que é consulta eletiva. Vamos deixar a unidade especificamente para o que ele (HSJB) nasceu, que é urgência, é atendimento rápido. É o que o São João Batista merece. Temos que desafogar um pouco o atendimento clínico do São João Batista”, justificou.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.