Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Sábado, 14 de Dezembro de 2019
0
Publicado em 02/12/19, às 10:02

Mal de saúde

Roberto Marinho

A tradicional Santa Casa de Barra Mansa está mal de saúde. E estaria atolada em dívidas. Segundo informações obtidas pelo aQui, o déficit nas contas teria aumentado de R$ 4 milhões para R$ 12 milhões nos últimos três anos. O curioso é que, no período, a unidade teria aumentado o seu faturamento em vários milhões de reais, desde que passou a receber verbas do SUS repassadas mensalmente através da secretaria de Saúde de Barra Mansa. Os serviços de oncologia e cardiologia oferecidos pela Santa Casa, por exemplo, seriam os maiores em faturamento em todo o interior do estado do Rio.

Apesar do quadro sombrio – dinheiro entrando, dívida crescendo – o colegiado que dirige a Santa Casa foi reeleito, o que irritou parte dos conselheiros. Para piorar, os provedores estão insatisfeitos com o rumo que as coisas tomaram, como a contratação de um “gestor” para o hospital, ao custo de R$ 35 mil mensais. Detalhe: as informações são de que o gestor contratado nunca administrou uma unidade hospitalar. “Além disso, realizou inúmeras contratações, inflando a folha de pagamento”, disse a fonte, que não quer se identificar.

Outra chegou a afirmar que o prefeito Rodrigo Drable estaria “soltando fogo pelas ventas” diante da crise da Santa Casa, já que o rombo nas contas acaba tendo que ser coberto pela prefeitura local. “A prefeitura anda fazendo cortes severos nas despesas; o prefeito sequer utiliza carro oficial; e não pode aceitar que a Santa Casa vire cabide de empregos. Os administradores do hospital deveriam se preocupar em atender melhor a população de Barra Mansa”, pontuou.

A fonte vai além. Revela que vários provedores estariam se movimentando para pedir a demissão imediata do gestor contratado. E, dependendo do caso, propor uma intervenção Judicial na Santa Casa. Tem mais. Adriano Leite, eleito pela provedoria, teria pedido demissão do cargo de tesoureiro, “após ser pressionado a fazer coisas das quais discordava”, detalha a fonte.

Entidades de Barra Mansa, parceiras da Santa Casa, também estariam endossando o pedido de intervenção no hospital, assim como aconteceu na Santa Casa de Barra do Piraí. Além disso, empresários ligados à instituição querem uma auditoria nas contas e nos serviços médicos da unidade. “Essa auditoria vai colocar algumas pessoas em saia justa”, disparou a fonte.

Ontem, sexta, 29, a direção da Santa Casa de Barra Mansa foi procurada pelo aQui para falar sobre o déficit, o pedido de intervenção e até mesmo sobre a possibilidade aventada por um dos integrantes da unidade de levar o caso ao Ministério Público. A assessoria de imprensa da Santa Casa preferiu responder a todos os questionamentos através de uma Nota Oficial, que transcrevemos abaixo:

Nota Santa Casa de Barra Mansa

“A Santa Casa de Misericórdia de Barra Mansa vem, por meio desta nota, esclarecer que em virtude da difícil situação financeira que aflige as instituições filantrópicas da área da saúde em todo país, o hospital vem buscando incessantemente soluções para minimizar esta realidade, contratando profissionais capacitados e buscando implementar as melhores práticas de gestão.

Importante destacar que as contratações feitas pela Instituição sempre buscam uma melhoria em sua administração e, consequentemente, um melhor atendimento aos seus usuários, sendo o único hospital da cidade que faz atendimentos, pelo SUS, de média e alta complexidade tais como: cirurgias, atendimento oncológico, cardiológico, hemodiálise, entre outros.

Todas as contratações são realizadas de acordo com o praticado no mercado.

Por fim, esclarece a Instituição que desconhece qualquer denúncia ao Ministério Público, uma que vez que coaduna com a legislação vigente”.

Nota da redação: O prefeito Rodrigo Drable também foi procurado pela reportagem, mas não foi encontrado a tempo de falar sobre o caso.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.