Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Sábado, 19 de Agosto de 2017
0
Publicado em 31/07/17, às 10:08

Insustentável

Material tóxico Getulio Vargas 26.07 (4)

O secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Barra Mansa, Cláudio Cruz, o Baianinho, promete ir pessoalmente à 90ª DP para oficializar uma denúncia de despejo de frascos de material químico e tóxico nas proximidades de dois cursos d’água no Getúlio Vargas. Mais precisamente na Rua Porto Alegre, próximo ao número 1.675. “Não podemos admitir esse tipo de descarte. No local, descartaram embalagens de produtos altamente tóxicos que ainda podem ter resíduos e representam uma ameaça, tanto à saúde pública quanto ao meio ambiente. A determinação do prefeito é encontrar o responsável pelo despejo e a origem de onde saiu o material”, explica Baianinho.

.

As embalagens são de materiais classificados conforme a NBR (Norma Brasileira Regulamentadora) nº 10.004/ 04, como resíduos perigosos Classe I, ou seja, tóxicos, corrosivos, inflamáveis e reativos, como ácido sulfúrico, nitrato de prata, ácido isopropílico R.A, guaiacol, ferrocianeto de potássio, iodeto de potássio, percloreto de ferro, bicromato de potássio. No meio do material, também foram encontradas caixas de leite, vidro quebrado, pipetas e tubos de ensaio de análise laboratorial.

.

“Não vamos admitir esse tipo de atitude. Quem fez isso será encontrado e punido”, enfatizou. Baianinho vai além. Lembra que mesmo que a empresa geradora do resíduo tenha terceirizado o descarte do material, ela também responde pelo delito cometido. “A empresa que realiza esse tipo de descarte precisa ter a Licença Ambiental e a empresa geradora do resíduo precisa ter todos os manifestos comprovando o destino desses resíduos”, completou.  

.

Para sustentar a investigação encaminhada à polícia, Baianinho explicou que a Lei 9.605/98 de Crimes Ambientais inovou acerca da responsabilidade penal ambiental das pessoas jurídicas. “Antes o crime atingia apenas a pessoa física. Depois dessa lei, as empresas também passaram a responder criminalmente por danos ambientais. Além de seus sócios responderem solidariamente. As empresas, além de responder penalmente, respondem ainda na esfera administrativa e cível”, disse, acrescentando que a pena para esse tipo de crime ambiental é de um a quatro anos de reclusão e multa.

.

De acordo com técnicos da secretaria de Meio Ambiente, o ácido sulfúrico é um potente irritante do trato respiratório, pele e olhos. Sobre a pele, produz queimaduras graves com fibrose cicatricial intensa e limitações funcionais. Nos acidentes com os olhos pode provocar graves lesões. 

.

O caso começou a ser apurado na última segunda-feira, dia 24, quando a Guarda Municipal Ambiental recebeu uma denúncia anônima relatando o despejo do material tóxico. “A Guarda Ambiental esteve no local e confirmou a denúncia. Agora estamos pedindo ajuda da polícia para apurar os fatos e responsabilizar os culpados. Isso é crime”, frisa o secretário. “A empresa que produz esse tipo desse lixo químico é obrigada a manter esse processo sobre extrema vigilância, desde o seu uso até o descarte final”, finaliza.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.