Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Terça-Feira, 22 de Maio de 2018
0

Grampos

‘Lei de Gerson’

A falta de educação hoje em dia não é privilégio apenas dos adolescentes. Muito pelo contrário. Na terça, 15, um motorista simplesmente decidiu estacionar em frente à sede do jornal, onde ficou por mais de seis horas, atrapalhando a entrada e saída dos carros de duas garagens. Ao voltar e ser repreendido, ele se revoltou e, tentando justificar o injustificável, alegou que era deficiente e idoso, como se isso lhe desse o direito de não respeitar as leis de trânsito. 

 

Aliás, não é só ele que pratica a ‘lei de Gerson’. Um integrante da Guarda Municipal, por exemplo, diz que ninguém mais obedece as placas de sinalização espalhadas pela cidade. “Todo mundo se acha no direito de parar onde quiser. Em frente a garagens, em fila dupla, em cima de calçadas, embaixo de placas de ‘estacionamento proibido’. Fica horas estacionado em locais onde só é permitido parar 10 minutos, etc”, disse ele, garantindo que a GM faz o seu papel, que é de multar quem estaciona em local proibido. Para ele, o problema maior é a falta de educação generalizada dos motoristas. “Isso nós não conseguimos evitar”, pontuou. Ele está certo. Os mal educados incluem jovens, idosos, mulheres, policiais, motoristas da prefeitura, da Câmara. Pior. Até advogados que, pelo diploma que conseguiram, deviam conhecer também as leis do trânsito. E não apenas a ‘lei de Gerson’. 

 

Na mesma (I) – Os carros estacionados irregularmente no início da Rua 41, na Vila, continuam infernizando o trânsito naquele trecho. Em uma faixa onde seria pista de rolamento – a sinalização está bem apagada, é verdade, mas existe uma placa de ‘Proibido Parar e Estacionar’ – os motoristas irresponsáveis continuam deixando os carros parados o dia inteiro. O resultado é que no horário de rush, o engarrafamento chega ao Viaduto João Ravache. A Guarda Municipal havia prometido tomar providências. Pelo visto, nada fez. É uma pena.

 

Na mesma (II) – Se não quiser ser atropelado pela ineficiência e arrogância de quem trabalha no Ciosp, o prefeito Samuca Silva deve promover uma limpa no órgão. Ou no comando da GM. Durante a semana, ao reclamar por não ter sido atendido pela GM, a quem tinha apelado para que enviassem uma viatura para retirar um carro estacionado em frente à garagem de sua casa, um leitor do aQui teve que engolir em seco o seguinte comentário do atendente do Ciosp “A Guarda Municipal tem coisa mais importante a fazer”, disparou o troglodita, cujo salário é pago pelo meu, o seu, o nosso dinheirinho…  

904066f9-d1af-4978-8a55-0599b8ceb2a9 - Cópia

Inclusão – Integrantes do governo, sobretudo da Educação, não gostaram muito da reportagem do aQui (edição 1095) sobre a falta de acessibilidade de algumas  escolas de Volta Redonda. Chegaram a criticar o jornal e até chamaram a atenção da direção de uma escola. No final das contas, os alunos com deficiência física saíram ganhando: a prefeitura deu início na quinta, 17, à obra de construção de uma rampa na Escola Miguel Couto Filho.

 

De abuso não falo – O secretário de segurança Pública, general Richard Fernandez Nunes, é uma máquina de falar. Ao dar entrevista à imprensa, durante sua rápida passagem pelo 28º Batalhão da PM, em Volta Redonda, o militar disparava respostas sem ao menos piscar os olhos. Respondeu tudo em questão de segundos. Ele só não respondeu ao aQui questões referentes às denúncias de abuso de poder por partes dos militares em ação no Rio de Janeiro. Limitou-se a desferir aquela olhadela mortal e mudou de assunto. Provavelmente se a pergunta fosse ‘quem matou Marielle?’, o repórter estaria preso.

 

Dá pra entender? – Aliás, na terça, 15, por volta das 18 horas, a assessoria de imprensa da secretaria estadual de Segurança encaminhou release aos jornais dando conta da visita de Richard Nunes a Volta Redonda e Angra dos Reis. Até aí tudo bem. O problema é que os profissionais da Comunicação só informaram o horário da visita de Angra dos Reis – às 15h30min. “Mais cedo, o Secretário de Segurança vai visitar o município de Volta Redonda, na região Sul Fluminense, no qual irá no 28º Batalhão de Polícia Militar (Volta Redonda) e na 93ª Delegacia Policial (Volta Redonda)”, diz o documento oficial. Provocada a informar o horário da visita à cidade do aço, os responsáveis pelo setor simplesmente ignoraram o e-mail enviado a eles. Será que têm medo dos bandidos? Ou da imprensa? Ou dos dois?  

 

Azar – As Loterias Caixa lançam hoje, sábado, 19, em Goiânia (GO), mais uma modalidade de jogo de prognósticos baseada em datas e meses do ano – o Dia de Sorte. Sorte dela, é claro. As apostas exclusivas para o concurso 001 podem ser registradas em qualquer unidade lotérica do país. A maioria dos apostadores, como em todos os demais jogos de azar da CEF, vai jogar dinheiro fora… 

 

Lucro – Por falar no bancão do governo Federal, a direção da CEF está determinada a fechar 100 agências em todo o país até setembro, véspera da eleição. Se Temer fosse candidato, teria o voto de todos os funcionários do banco, não teria? Isso sem contar que já demitiu mais de 15 mil funcionários para aumentar o seu lucro, como se fosse uma empresa comercial.  

 

Despesa – Apesar de cortar na pele, a CEF vai gastar mais de R$ 10 milhões para uma festa que está organizando para seis mil ‘empregados-sortudos’ que ganharam passagens para ir a Brasília, com tudo pago, é claro, para participar do evento “Seleção Caixa: em campo pelo Brasil”. Brasil deles, não o nosso!

 

Super lucro – No 0800 com o nosso dinheiro, a CEF vai anunciar que sua meta de lucros para 2018 mudou. É de R$ 9 bilhões e não mais de R$ 7,3 bilhões, como tinha sido planejado. É muita grana nas mãos dos banqueiros-políticos, né?

 

Redes – Pré-candidato a deputado estadual pelo Solidariedade, o jovem Fernando Garcia, ex-assessor do prefeito Samuca, mudou seu nome nas redes sociais, como o Facebook. Assumiu que é o Samuquinha. Faz sentido.  

 

Clima ruim (I) – Há quem garanta que o clima entre Deley (PTB) e Baltazar (PDT) durante o encontro por acaso que os dois tiveram no gabinete do prefeito Rodrigo Drable não foi nada amistoso. “Foi azedo”, diz uma fonte.

 

Clima ruim (II) – A fonte vai além. Diz que Rodrigo estava conversando com Baltazar, que teria pedido uma audiência para conversar com o prefeito, quando Deley entrou sem ser anunciado. “De supetão, como fazem os políticos com trânsito livre no Palácio Luiz Amaral”, revela, indo além. “Para não ser desagradável com nenhum dos dois, o prefeito pediu a Deley que sentasse ‘perto dele, longe de Baltazar’”. A sugestão teria sido acatada e os dois inimigos eternos ficaram o tempo todo de cara emburrada. A versão foi contestada por outra fonte do aQui.

 

Pedido – Na semana passada, segundo uma fonte do aQui, um grupo de médicos do Hospital Vita esteve na Cúria Diocesana para pedir apoio ao bispo D. Francisco. Estão esperando por ele até hoje.

 

Chaves – Por falar na questão do Hospital Vita, na reunião realizada no gabinete do juiz Roberto Henrique dos Reis, titular da 4ª Vara Cível, na sexta passada, em um dado momento, segundo relato de uma fonte, os representantes do grupo Vita de São Paulo teriam ameaçado entregar as chaves da unidade para a CSN, que estaria, segundo eles, irredutível em aceitar um acordo. Foi o bastante para os advogados da siderúrgica se levantarem e, irritados, responderem em alto e bom som: “Então nos entreguem as chaves, agora”. Não foram atendidos.

 

Proposta – Da reunião ficou uma dúvida, até hoje não esclarecida: os advogados da CSN propuseram ou não a transferência do Hospital Vita para outra unidade de Volta Redonda? Há quem garanta que sim. Dizem até que eles teriam citado dois locais: Hospital Santa Margarida, da prefeitura de Volta Redonda, ainda aguardando reforma, e o Hospital Regional, do governo do Estado, sub-utilizado. Detalhe: a direção da CSN nega ter feito tal proposta. 

 

Alerta (I) – A participação da Intermédica, defendida pelo próprio grupo Vita, teria o dedo de um famoso cirurgião voltarredondense. Aliás, para quem não sabe, a empresa que quer abocanhar o ‘negócio Vita’ passou, recentemente, para as mãos de uma multinacional americana. Que estaria prestes a assumir o controle total do Vita, incluindo unidades de São Paulo e Curitiba. O boato é de que teria oferecido R$ 140 milhões para ficar com tudo. 

 

Alerta (II) – Além dos hospitais, a Intermédica estaria interessada em assumir o Vita Volta Redonda para concorrer com Bradesco e Unimed, entre outras, pois também vende planos de Saúde. Ou seja, está de olho nos mais de 10 mil metalúrgicos da CSN. Que Silvio Campos abra os olhos, pois o que está em jogo pode afetar a saúde dos trabalhadores.

 

Alerta (III) – No meio médico, a Intermédica, segundo uma fonte, não goza de muito prestígio, não. Pelo contrário. A empresa, diz a fonte, não gosta de pagar hora extra e não aceita atrasos nem de um, dois ou três minutos. Simplesmente não paga a hora extra e manda descontar os atrasos.  

 

Centro Médico – A direção do Centro Médico, que é uma espécie de coração do Hospital Vita, responsável por manter viva a unidade, com procedimentos e exames, fez uma proposta interessante à CSN para ser independente do ‘negócio Vita’. Se for aceita, o CM passaria a pagar um bom aluguel à CSN, responsabilizando-se pela administração da unidade, que funciona no antigo ‘hotel das enfermeiras’, incluindo todas as despesas com funcionários e impostos. A CSN teria gostado da proposta.

 

Suspeição – Voltando a falar da Intermédica, na quinta, 17, o advogado do grupo Vita, acompanhado por um dos diretores da empresa, esteve no gabinete do juiz Roberto Henrique dos Reis para pedir o afastamento do interventor nomeado por ele. Motivo: o mesmo não estaria sendo imparcial. O pedido foi negado, ou seja, para o juiz, o interventor estaria fazendo bem o seu trabalho de levantar a vida do Vita.

 

Fome – A Câmara de Volta Redonda vai gastar, pelos próximos 12 meses, R$ 28 mil com lanches. A vencedora da licitação foi a ‘Delícias da Vovó’ de Volta Redonda Buffet e Restaurante LTDA – ME. Que fome!

 

Candidato – O vereador Carlinhos Santana, que se diz pré-candidato a deputado, não deve querer muito os votos das cidades do Sul Fluminense. Na ânsia de criticar o governo, Carlinhos disparou na sessão de segunda, 14, que Volta Redonda está utilizando pouco o Hospital Regional. “Não estou preocupado com Piraí, Resende… quero saber por que Volta Redonda não utiliza mais o Hospital Regional”, disse, esquecendo que é o Estado que regula a utilização do hospital.

 

Forasteiro – Boa parte dos vereadores de Volta Redonda anda fula da vida com o deputado estadual Gustavo Tutuca por só aparecer na cidade do aço em época de Copa do Mundo. Maldade. É que a Copa acontece sempre em ano de eleição.

 

Terceira idade – Os velhinhos de Volta Redonda receberam uma boa notícia do prefeito Samuca Silva. A viagem da Terceira Idade está confirmada. E melhor: quem vai escolher o destino serão os próprios velhinhos. Será entregue, nos grupos de convivência, um formulário para que preencham e escolham o local: ou Rio de Janeiro (Cristo Redentor e tour pela cidade) ou um Hotel Fazenda da região.

 

Retomada – O prefeito Samuca Silva conseguiu R$ 1 milhão de recursos do governo do Estado, através do deputado Christino Áureo, para conclusão das obras da Arena Esportiva, que está sendo ‘construída’ na Voldac.

 

Mais Presente (I) – No sábado, 26, das 9 às 17 horas, o governo Samuca vai lançar o projeto ‘Prefeitura Mais Presente’, para oferecer diversos serviços da administração para os bairros, através de uma ação envolvendo as secretarias e autarquias. A ação inaugural será na Escola Municipal José Juarez Antunes, no São Luiz, abrangendo ainda os bairros Caieiras, Candelária, Cailândia, Dom Bosco, São Sebastião, Pinto da Serra e Brasilândia.

 

Mais Presente (II) – Serão oferecidos serviços como consulta médica, exames, inscrição e atualização de cadastro habitacional, inscrições para cursos de qualificação profissional, captação de currículos e emissão de carteira de trabalho, solicitações referentes a trânsito e transporte, serviços relacionados à Dívida Ativa, emissão de taxas de alvarás e 2ª via de IPTU e da conta de água, solicitação de corte e poda de árvores.

Também serão disponibilizados para a população serviços como corte de cabelo, massagem, maquiagem, cadastro e exame para o Parque Aquático, doação de mudas, inscrição para feiras de artesanato, entre outros.

 

Meia greve – Mesmo demonstrando sinais de exaustão, boa parte dos profissionais da educação municipal de Volta Redonda decidiu manter as meias paralisações até a próxima semana. Conforme a categoria decidiu na última assembleia, realizada na terça, 15, a classe vai esperar por novas negociações com o prefeito Samuca.

 

Declan – Os empresários de Volta Redonda que ainda não entregaram a a Declan-IPM 2018 têm até o dia 21 de maio para fazê-lo. A declaração retificadora poderá ser entregue até o próximo dia 28.

 

Mais um – O popular Dibruço voltou a atacar. Diz que é pré-candidato a deputado estadual pelo PSDB. Será que agora ele conseguirá alçar voo?

 

Dobradinha – Para garantir mais uns votos, Dibruço deve se aliar a Geraldinho do Gelo, que é pré-candidato à Câmara pelo nanico PHS. Dupla imbatível, não é mesmo?

 

Artes Plásticas – O 10º Festival de Artes Plásticas de Volta Redonda poderá ser visto até o dia 31 deste mês, no Espaço de Artes Zélia Arbex, na Vila. Ao todo, 57 peças de mais de 50 artistas estão sendo expostas. 

 

Nota 10 – Uma iniciativa que tem como objetivo reconhecer o trabalho dos professores da Educação Infantil, Ensino Médio, além de coordenadores e gestores de todo o país, o Prêmio Educador Nota 10 está com as inscrições abertas. Professores da rede estadual podem inscrever seus projetos – de diversas áreas do conhecimento – no site http://premioeducadornotadez. com.br, até 27 de maio.

Custos – A direção do Saae-VR quer economizar cerca de R$ 2,4 milhões por ano. Para que isso ocorra, o diretor-executivo da autarquia, José Geraldo Santos, o Zeca explicou que, os estudos de redução já realizados em áreas diferentes vão atingir, entre outras, as áreas de energia e limpeza. “Por lei é possível reduzir, em até 25%, um contrato, desde que não comprometa a qualidade dos serviços prestados. Baseado nessa premissa e após diversos estudos e pesquisas de viabilidade, nós estamos conseguindo economizar e os valores serão revertidos em investimentos e obras para o município”, destacou.  

 

Custos (II) – Só com a retomada de um projeto chamado Cone (Conservação de Energia), o Saae-VR deve economizar de cerca de 10% do atual gasto com energia, que é de R$ 1,5 milhões por mês. Ou seja, vai economizar R$ 150 mil/mês. Passa por reduzir o uso do ar condicionado. “Nós fizemos um trabalho de conscientização com as equipes e definimos horários específicos para ligar e desligar o ar. Além disso, os horários das bombas de abastecimento também estão sendo ajustados. Orientamos também que as luzes dos escritórios devem ser desligadas antes de sair das salas. E as equipes estão de parabéns, pois todos aderiram”, avaliou Zeca.  

 

Resultados (I) – A CSN divulgou, na terça, 15, seus resultados financeiros obtidos no primeiro trimestre de 2018, com um lucro de R$ 1,486 bilhão no período, representando um aumento significativo em comparação ao trimestre anterior, de R$ 378 milhões. O aumento foi devido à atualização do valor justo das ações da Usiminas, que passaram a ser registradas no resultado.

 

Resultados (II) – A receita líquida da CSN somou R$ 5.07 bilhões de janeiro a março, indicando um crescimento de 15% em relação ao mesmo período de 2017 e 1% maior em comparação com o trimestre anterior.

 

Vendas – A CSN espera vender 3,4 milhões de toneladas de aço no mercado interno até o final do ano.

 

Vendeu – A CSN vendeu a LLC – sua subsidiária nos  EUA que atua com decapagem, laminação a frio e galvanização de aços planos. Foi vendida para a Dynamics por R$ 400 milhões.

 

 À venda – A CSN também quer vender a Lusosider – sua unidade de laminação a frio e galvanização de aço em Portugal. Valor: de  US$ 300 milhões a US$ 500 milhões. Tem mais. Pode vender ainda o terminal portuário de Sepetiba Tecon, e as ações da Usiminas.  

 

Ebitda – A CSN alcançou um Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de R$ 1,24 bilhão no primeiro trimestre de 2018. 

 

Aumento – A CSN anunciou que a partir de 1º de junho o preço dos revestidos e laminados ficará mais caro. O reajuste será de 8,25% para os zincados e folhas metálicas (revestidos) e 11,75% para as bobinas a quente e a frio (laminados).   

 

Política (I) – A coluna da jornalista Sonia Racy, no Estadão, resumiu bem o perfil de Benjamin Steinbruch – o mais novo filiado ao PP e que está cotado para ser vice de Ciro Gomes nas eleições presidenciais. O texto diz que Benjamin tem temperamento centralizador e teria provocado a saída de três conselheiros do Jockey Club paulista, onde é presidente do Conselho. “Avaliam que o empresário é centralizador, pouco escuta…. A curiosidade, entretanto, só cresce no meio empresarial: se Ciro é conhecido por não ter pavio e Steinbruch, por sequer saber o que é pavio, como caminhará a aliança?”

 

Política (II) – A jornalista foi além. Disse que assim como Ciro Gomes trabalhou como diretor executivo da Transnordestina, de Steinbruch, a ideia de trabalharem junto nas próximas eleições faz sentido e pode emplacar. Será?

 

Política (III) – Quem aí consegue visualizar Benjamin Steinbruch pedindo voto na Praça Brasil? Ou melhor, entregando santinhos na Passagem Superior da CSN?

 

Política (IV) – Brincadeiras à parte, a verdade é que o mercado está cético sobre a possibilidade de o dono da CSN deixar a presidência da empresa para participar da campanha eleitoral. A explicação é simples: disputa familiar. É que Benjamin enfrenta os primos Leo e Clarice na Justiça, que pediram a venda da CSN e da Vicunha, para partilha do patrimônio comum. Deixar a empresa para se engajar na política seria como entregar a CSN de mão beijada para a parentada. Nem de longe o barão do aço faria isto.

 

Despejo – O Centro Universitário de Barra Mansa está sofrendo ação de despejo por parte da CBS, que tenta, na Justiça, receber os aluguéis atrasados. Os valores não foram divulgados. Em nota, o UBM informou que no final de abril foi estabelecido um acordo para a regularização da locação do imóvel do campus Cicuta, com o parcelamento dos débitos, e que o acordo já está sendo cumprido. A ação tramita na 3ª Vara Cível de Barra Mansa.

 

Por falar nisso – Os professores do UBM, campus Barra Mansa, decidiram deflagrar uma greve a partir da próxima terça, 22. Eles estão sem receber os salários por aproximadamente três meses. O UBM também estaria devendo o 13º de 2017, um terço das férias de quem recebe acima de R$ 2,5 mil e ainda deve ao Diretório Acadêmico de Medicina Veterinária. O UBM tem cerca de 200 professores, e a folha está calculada em R$ 800 mil.

 

Demitidos (I) – A ArcelorMittal anunciou alguns benefícios para os empregados que foram demitidos há duas semanas das unidades da Votorantim de Barra Mansa e Resende. Os benefícios foram acordados com o Sindicato e contemplam seis meses de cesta básica, dois meses de plano de saúde e o seguro de vida pelo período vigente do aviso prévio. A empresa também se comprometeu a priorizar os 85 demitidos assim que surgir a necessidade de novas contratações.

 

Demitidos (II) – A Arcelor Mittal demitiu 85 funcionários (40 de Resende e 45 de Barra Mansa) apenas um mês depois de assumir as unidades da Votorantim na região. A justificativa da empresa era uma determinação do Cade para encerrar algumas linhas de produção para evitar monopólio. O Cade, por sua vez, negou que tivesse exigido isto da ArcelorMittal.

 

Meia hora de refeição – O Sindicato dos Metalúrgicos entrega na segunda, 21, um novo lote de alvarás referente ao processo ‘Meia hora de refeição’. A lista está no boletim do Sindicato.

 

Hyundai – O Sindicato dos Metalúrgicos e a Hyundai ainda não chegaram a um acordo sobre a campanha salarial 2018/2019. Três propostas já foram feitas e rejeitadas. As negociações vão continuar na semana que vem.

 

Barriga cheia – Benjamin Steinbruch voltou a atacar os bancos credores em sua coluna quinzenal na Folha de São Paulo. O barão do aço reclamou da “concentração bancária perversa”, onde os quatro maiores bancos respondem por 78,5% do crédito concedido no mercado. Ele não devia reclamar tanto assim dos bancões brasileiros, afinal, dois deles, como a Caixa Econômica e o Banco do Brasil, emprestaram milhões para diminuir o endividamento da CSN.

 

Férias coletivas (I) – A CSN mineração, pasmem, concedeu férias coletivas para 400 trabalhadores até o dia 20 de julho. O benefício será concedido em períodos sucessivos de 15 dias e se justifica, segundo a empresa, pelas limitações impostas ao processo produtivo nos últimos meses. Segundo a CSN, estas limitações obrigaram a empresa a adequar suas instalações físicas e implementar novos projetos.