Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Segunda-Feira, 15 de Julho de 2019
0
Publicado em 25/02/19, às 08:59

Fogo alto

Por Roberto Marinho

Há duas semanas, uma disputa entre dois comer-ciantes do setor de gás de cozinha (GLP – Gás Liquefeito de Petróleo) em Volta Redonda foi parar na delegacia. Rafael de Oliveira Andrade Pinto, o Rafael do Gás, fez um Registro de Ocorrência na 93a DP, por ameaça, contra Joselito Magalhães, dono de uma das maiores distribuidoras de gás da região, presidente da Associação Comercial e secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo do governo Samuca Silva.
No registro, Rafael relatou que recebeu um telefonema em tom ameaçador de Joselito – o aQui reproduziu a conversa na edição nº 1135 – e, coincidência ou não, na mesma semana ocorreu um incêndio em um dos depósitos dele, no bairro Nova Esperança. O fogo atingiu um caminhão pequeno e dois carros, e por pouco não provocou uma tragédia, já que os pais de Rafael moram praticamente dentro do depósito, e um dos carros incendiados estava parcialmente carregado com botijões de gás. A partir do RO, a polícia passou a considerar Joselito como suspeito.
Esta semana – na terça, 19 – saiu o laudo da perícia e ele comprova que o incêndio no depósito de Rafael foi intencional, ou seja, foi criminoso. No documento oficial, o perito responsável pela análise relata que o fogo teria “características de ação intencional”. No entanto, pelo fato das câmeras de segurança do depósito não estarem funcionando quando do incêndio e pela falta de provas mais concretas, “não foi determinado o número de agentes (suspeitos, grifo nosso) envolvidos e o horário do evento”, relata o perito, dando conta que esclarecer esses pontos ficará a cargo das investigações da Polícia Civil.
Rafael afirma que o laudo rebate as insinuações que circularam nas redes sociais de que o incêndio teria sido provocado por ele mesmo, para receber o seguro dos veículos (os carros não estavam segurados, grifo nosso) ou se promover politicamente, já que o comerciante deve se lançar candidato a vereador, e seria de um grupo de oposição ao atual governo.
“Muitos acham que são fake news ou política, mas eu jamais colocaria a vida dos meus pais em risco por causa de política. Espero que as investigações encontrem os culpados, e que a Justiça seja feita”, avaliou o comerciante, afirmando que ainda não sabe o que fará sobre o caso. Em relação ao processo que Joselito disse que moveria contra ele por difamação e calúnia – pela divulgação da gravação do telefonema ameaçador em aplicativos de mensagens e redes sociais -, Rafael afirma não ter tido “notícias”. E garante que nem foi convidado a depor sobre este caso.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.