Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018
0
Publicado em 19/01/18, às 18:39

Bate bola – Sergio Luiz

A foto é da seleção juvenil da LDVR (Liga de Desportos de Volta Redonda) em 1962 e pertence ao acervo do Carlos Vidal.

aqui-esporte_cor

Em pé da esquerda para a direita: Nena, Joveir, Menu, Edson, Napoleão, Vidal, Paulinho DPI, , Heleno, Jaú, Joaquinzinho (treinador) e Chicão (diretor). Agachados: Carlinhos, Baiano, Dito, Paulo Braga, Cecílio, Babá, Amigo e Sabará.

Ficou com pena?

Para ganhar do Voltaço por 2 a 0, na noite de quarta, 17, no Raulino de Oliveira, com público de apenas 4 mil pagantes, o Flamengo não precisou suar quase nada. Deixou até os titulares descansando na cidade maravilhosa e entrou em campo com a garotada do sub-20. Parecia que o tricolor de aço é que jogava com um time alternativo, tal a facilidade que o time de Carpegiani teve em campo. Foi triste ver os “experientes craques do Volta Redonda” correndo atrás dos juvenis do Mengão. 

 

Perder faz parte do futebol, é normal; mas que sirva de alerta para os dirigentes, comissão técnica e torcedores do Voltaço. O time terá que melhorar muito se quiser brigar por melhores posições na tabela do Carioca de 2018. E que seja rápido, pois o time de Volta Redonda terá dois fios desencapados pela frente. Amanhã, domingo, 21, em Moça Bonita, pega o Bangu, às 16h30min; e na quinta, 25, às 16h30min, joga contra o Nova Iguaçu, no Laranjão. São concorrentes diretos e por isso se tornam mais perigosos, sem falar que jogam em casa.

 

Apesar da ducha fria da noite quente de quarta, o torcedor precisa aguardar os dois próximos jogos para avaliar de verdade se o Volta Redonda não quis bater nos garotos do Flamengo – ficou com pena? – ou se vai apanhar mais e mais nos jogos seguintes quando for enfrentar os titulares dos times concorrentes. Quem viver verá.

 

Sobrecarregado

O estádio Raulino de Oliveira vai receber vários jogos de outros clubes. Assim é que no dia 28, domingo, às 19 horas, o Madureira enfrenta o Fluminense. Na segunda, 29, o Voltaço jogará com a Cabofriense, às 19h30min. No dia 4, domingo, será a vez do Nova Iguaçu encarar o Flamengo. Não sei se o gramado, atualmente impecável, resistirá a tantas peladas.

 

 

Público

Mais uma vez foi decepcionante a presença (ou ausência) dos torcedores no Raulino de Oliveira. No total, cinco mil pessoas assistiram Volta Redonda x Flamengo. Alguns poderão até dizer que o jogo ia passar na telinha e que o time rubro negro iria entrar em campo com um time alternativo. Sem contar que marcar jogo para o meio de semana e às 21h45min, com arquibancadas a R$ 40 e cadeiras a R$ 60, em cidade operária, é coisa de doido. O torcedor, além de estar duro, não é bobo. Triste fim do futebol carioca. No Mineirão, por exemplo, Cruzeiro e Tupi também estrearam na quarta, 17, pelo campeonato mineiro e arrastaram mais de 40 mil torcedores ao Mineirão.

 

Sub-20

A garotada do Voltaço foi eliminada da Copa Cidade de São Paulo ao perder do RB Brasil por 1 a 0.

 

Barra Mansa

A situação política do Barra Mansa continua na estaca zero cercada de mistérios da meia noite. Ninguém sabe, por exemplo, se o presidente do Conselho Deliberativo, Silvio Francisco, entrou ou não com uma ação para derrubar a liminar que deu condições para que o presidente eleito Andrinho pudesse disputar as eleições. Quer mais mistérios? O clube vai ou não vai disputar a terceira divisão? Vai ter dinheiro para pagar as taxas de inscrição no torneio? É dose!

 

Bola fora

Para Voltaço, Fluminense, Botafogo e Vasco que começaram mal a Taça Guanabara. Os dois primeiros perderam e o alvinegro empatou. Doses e porcas emoções pela frente. Lamentável!

 

História

Essa com o goleiro Mazaropi (Dadão, para os alemparaibanos) é muito interessante. Em 1964/65, jogávamos no time de garotos do Palmeirinhas, da Praça da Bandeira. Os jogos eram realizados num areal, que o Rio Paraíba deixava pós enchentes. Tinha até presidente (Nelsinho Mafra) e como técnico Antonio José (o Pilha). O Dadão (Mazaropi) jogava como quarto zagueiro, mas era grosso. Porém, após os jogos, à noite, ele passava mal. Não me lembro do quê. Certo dia, dona Néia, mãe dele, chamou todo o time e mandou essa: “O Geraldinho agora só vai jogar no gol. Porque na linha ele corre muito e de noite passa mal. Eu é que sei o que ele passa. Se ele jogar na linha, ele não vai mais”, ameaçou. Foi aí que surgiu o goleiro Mazaropi, que logo depois foi para o Vasco (em 1970). Lembro que, em 1976, Mazaropi pegou um pênalti cobrado pelo Tita dando ao Vasco o título de campeão da Taça Guanabara. No final da partida, ele pegou a bola, beijou-a e elevou-a ao céu, agradecendo a Deus e à sua mãe, que descobriu a sua verdadeira posição e que havia falecido. Mazaropi hoje é comentarista da Grêmio Rádio Umbro de Porto Alegre.

 

Bola dentro

Para a exibição do time de garotos do Flamengo, na vitória sobre o Voltaço por 2 a 0. A média de idade dos garotos não chegava aos 20 anos; a do Voltaço era de 28 anos. Prova que os dirigentes de qualquer time não precisam contratar “craques com validade vencida”. Ou melhor, que craque se faz em casa!

 

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.