Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Terça-Feira, 13 de Novembro de 2018
0
Publicado em 10/09/18, às 08:33

Bate bola – Sergio Luiz

Varandão da saudade

Este é o time juvenil do América do Rústico em 1961. Pertence ao Hélio Rafael.

Em pé da esquerda para a direita: Nilson Muleta, Louro, Cimair, Jorginho, Boca Cheia, Zequinha, Quebrado, Barroso (Técnico); Agachados: Jairzinho, Rivail, João Degolado, Mirim, Mauro e Orlando.

Saindo da toca

A eleição para a presidência do Voltaço está marcada para o dia 12 de novembro e, até agora, pelo menos oficialmente, ninguém quer pegar o abacaxi. Boatos, é claro, existem. Um deles dá conta que Valtinho, ex-jogador, estaria para ser lançado por um grupo formado por ex-craques. O ex-presidente Rogério Loureiro também estaria correndo por fora para indicar algum nome. E o prefeito Samuca Silva estaria sondando alguns conselheiros para encontrar um nome de consenso.                                                                                  

Em cima do muro da 207 temos o nome do atual vice de futebol, o advogado Flávio Horta Júnior, que responde pelo Jurídico do Volta Redonda e que ainda não sabe se vai ou se fica. Questionado pelo repórter João Bosco, da Rádio do Comércio, Júnior afirmou que ainda não definiu se será o candidato da situação. Estaria aguardando a definição do presidente Flávio Horta, que é o seu pai, se vai tentar se reeleger.                             

 

Apesar de garantir que está esperando a definição do pai, Júnior já estaria negociando alguns cargos na sua futura diretoria e já teria o apoio de parte de um grupo de 30 conselheiros. Horta poderá ter como vice um deles, que seria Gelver Gilliarte. O que mostra sua disposição real de tentar se eleger como o próximo presidente do Voltaço.

A tendência é que a partir das próximas semanas as coisas se definam e os candidatos saiam da toca. Quem viver verá!

 

VAR carioca

O campeonato carioca e ainda o paulista devem contar com a ajuda do árbitro de vídeo (VAR) já na próxima temporada. Detalhe: ao preço de R$ 25 mil por partida, o que corresponde a 50% do valor pago atualmente pela CBF na Copa do Brasil. Quem vai pagar o pato no Rio serão os clubes, já que a Federação não está nem aí para os clubes. Em São Paulo, o ônus deverá ser da Federação Paulista.

 

Auditoria

A empresa contratada para realizar uma auditoria nas contas do Volta Redonda deve apresentar o seu relatório dentro de mais alguns dias. Vamos ver se bate com a auditoria encomendada pela atual diretoria, que apresentou superávit. Será um duelo interessante… 

 

Barra Mansa

Jogando na segunda, 3, no Marrentão, em Duque de Caxias, o Barra Mansa empatou em 2 a 2 com o Futuro Bem Próximo (que nome, hein?), com dois gols de Matheus Pinheiral. O Leão ocupa a quinta posição com sete pontos e joga amanhã, domingo, 9, às 15 horas, no Raulino, contra o Araruama.

 

História

Quando fazíamos parte da equipe de esportes da Rádio Volta Redonda, estávamos voltando de São Paulo, em companhia da moçada da Rádio Sul Fluminense – após uma derrota do Voltaço para o Nacional – e paramos para fazer um lanche em Jacareí (SP). Como a diária de radialista sempre foi mais curta que cueca de anão, o narrador Manoel Alves foi logo procurando pelo prato mais barato. Resolveu pedir uma “polenta a passarinho”. Tentando justificar o pedido, ele mandou: “Adoro angu frito com frango”. Passados alguns minutos, o garçom apareceu com uma bandeja lotada de polenta frita cortada em cubos, com bastante queijo por cima. Tranquilamente, com um palito, Manoel começou a comê-la e nada de achar o frango. Revirou o prato e, já irritado, chamou o garçom: “Meu amigo, cadê o frango?”. Com muita paciência, o rapaz respondeu: “Que frango? O senhor não pediu polenta a passarinho? É isso aí.” Indignado, o pequeno notável, depois de muito discurso, não teve outra alternativa, a não ser comer toda a bandeja de angu frito. E o frango, ó!

 

Seletiva

Bem que o Goitacás tentou, mas terá mesmo que disputar a seletiva para o estadual de 2019 jogando contra Resende, Nova Iguaçu e Macaé. A decisão foi tomada na reunião de quarta, 5, na sede da entidade. O time campista precisava do apoio de 10 clubes para entrar direto na competição, direito adquirido ao conquistar a segunda divisão. Não foi preciso nem a ajuda do Volta Redonda e do Bangu, que votariam a favor, pois a decisão já estava tomada. A aberração continua. Ter 16 clubes disputando o campeonato é um absurdo. A seletiva pior ainda. O Voltaço escapou de boa, graças à lambança do Macaé que perdeu os pontos por colocar jogador irregular em campo.

 

 

Chamamento

A prefeitura de Volta Redonda está realizando um chamamento público para a administração do Complexo Esportivo Pedro Sebastião Guarda, no bairro Aero. O objetivo é ampliar o alcance da capacidade de atuação do município no âmbito esportivo e de lazer na cidade. Além de tornar o espaço sustentável, com a garantia de qualidade dessas atividades que são desenvolvidas neste espaço público. Em resumo: a prefeitura procura um parceiro que queira assumir as despesas de manutenção e obter lucro com a venda de placas ou aluguel para eventos. Tiraria um peso das costas do poder público. Apenas uma pergunta: como ficará a situação do Voltaço que utiliza dois campos do CT, sem pagar aluguel ou manutenção?

 

Bola dentro

Para a II Copa Voltaço 2018, reunindo equipes do Sub 13 e Sub 14, que começou na quinta e vai até amanhã, 9, domingo, quando as finais serão disputadas pela manhã. Futuros craques em ação. Valeu!

 

Bola fora

Para os times do Rio de Janeiro, que só dão vexames no Brasileirão. Dá até tristeza ver Flamengo, Fluminense, Botafogo e Vasco jogando. Lamentável!

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.