Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Terça-Feira, 13 de Novembro de 2018
0
Publicado em 07/05/18, às 08:24

Baixou o nível

O prefeito Ednardo Barbosa (MDB) e a maioria dos vereadores de Pinheiral estão em pé de guerra. O último capítulo da contenda aconteceu na manhã de quinta, 26, quando a luz do prédio da prefeitura foi cortada pela Light por conta de uma dívida milionária, da ordem de R$ 840 mil.

 

No breu, Ednardo se defende e diz que o município atravessa uma tremenda crise financeira – o déficit acumulado nos três primeiros meses deste ano já chega a R$ 1,6 milhão. Para evitar o corte da energia, Ednardo enviou um projeto de lei para a Câmara pedindo autorização dos parlamentares para parcelar a dívida para com a Light em 24 vezes. Levou um soco no queixo. A autorização foi dada para que ele zerasse a dívida em apenas duas vezes.   

 

“Quando solicitamos o parcelamento, já sabíamos que o município não teria fôlego para pagar em menos vezes (…) pedimos para a Câmara ter sensibilidade… infelizmente os vereadores não tiveram (…) não temos flexibilidade orçamentária para fazer o pagamento da Light em apenas dois meses”, argumentou Ednardo, em entrevista coletiva na semana passada.

 

Quando o caminhão da Light encostou para cortar a luz da sede da prefeitura de Pinheiral, Ednardo se enfureceu. E gravou um vídeo baixando o pau em cinco dos nove vereadores da cidade, a quem responsabilizou pelo corte da energia elétrica. “Uma atitude irresponsável de cinco vereadores que torcem pelo quanto pior, melhor”, disparou Ednardo. Só faltou ‘impulsionar’ (pagar) o vídeo para que o mesmo ‘bombasse’ nas redes sociais. Se não o fez, é claro.

 

Foi o bastante para que o relacionamento, que já não era bom, azedasse de vez entre Ednardo e os vereadores de oposição. Em entrevista exclusiva ao aQui, o presidente da Câmara, Costa Alonso (PRB), rebateu as críticas de Ednardo, que acusou a oposição de ser irresponsável. “Como somos irresponsáveis se quem gerencia a prefeitura não somos nós? Temos nossas obrigações, até mesmo como pessoa física: pagar as contas de água, luz, INSS, etc. Nada diferente do que cabe à prefeitura. Se ele escolheu fazer outras coisas com o dinheiro, não é nossa responsabilidade”, argumenta Costa, que ainda dispara: “Faço a gestão da Câmara, não da prefeitura”.

 

O presidente da Câmara de Pinheiral vai além. Nega as acusações feitas pelo prefeito de que o corte da luz pela Light teria atrasado o pagamento dos servidores, que estava programado para sair na sexta, 27, mas só saiu na segunda, 30, ainda dentro do prazo legal. “Ele disse que o corte da luz atrasou o pagamento dos servidores, mas onde (a prefeitura) faz o processamento do pagamento tinha energia. Eles puxaram um cabo do gerador da prefeitura para o setor de RH (Recursos Humanos). Não foi o corte de luz que causou o adiamento no pagamento”, revela. 

 

Costa não esconde que o grupo de cinco vereadores (dos nove, no total) que Ednardo acusou de “irresponsável” não se afina politicamente com o prefeito, mas nega que a questão  do parcelamento tenha sido política.

 

“Na última eleição nós apoiamos o ex-prefeito (José Arimathéa, do PSB, grifo nosso), não caminhamos com o atual prefeito. Os outros quatro vereadores foram eleitos junto com ele (Ednardo, grifo nosso). Mas tudo que for a benefício da população nós aprovamos. O que não concordamos, não aprovamos”, diz Alonso, que acusa Ednardo de “nunca ter ido à Câmara mostrar um projeto sequer”. “Ele está é querendo colocar a população contra nós”, dispara. Enquanto isso, a prefeitura continua queimando combustível para iluminar a sua sede. Se continuar assim, a solução será comprar velas, muitas velas. “Nem que sejam acesas para orações”, comparou um dos vereadores.    

 

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.