Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Sexta-Feira, 20 de Outubro de 2017
0
Publicado em 30/01/17, às 09:22

Amarelando

16387101_1162103340569202_2205630581499041810_n

Como se não bastasse o raio do mosquito da Dengue, Chikungunya e Zika Vírus, os brasileiros vão passar o verão e o Carnaval preocupados com outra doença: a Febre Amarela. Não é para menos: mais de 100 pessoas já podem ter morrido nos primeiros dias de janeiro por conta da enfermidade. Há ainda 550 casos suspeitos espalhados por Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, São Paulo, Goiás e Mato Grosso do Sul. Os casos mais graves são do interior mineiro, em cidades localizadas quase na divisa com o Rio de Janeiro. Para evitar que o vírus chegue a Volta Redonda, Barra Mansa e a todas as cidades fluminenses, o governo Pezão montou uma ‘operação barreira’ para tentar conter o avanço da Febre Amarela. 

 

Oficialmente, a região não é considerada como de risco eminente. “Os moradores não precisam se preocupar”, garantem as autoridades, que vão além: dizem para ninguém sair correndo atrás das vacinas. Mesmo assim, todas as cidades estão recebendo doses e mais doses. Para evitar transtornos, que já estão ocorrendo, com filas e mais filas de pessoas querendo se vacinar, os secretários de Saúde lembram que só quem for viajar para Minas Gerais ou cidades onde houve casos da doença deve procurar as unidades de saúde. O problema é que os avisos e alertas não são ouvidos pela maioria dos moradores do Sul Fluminense.

 

Na quinta, 26, por exemplo, os voltarredondenses terminaram com as 150 doses da vacina contra a Febre Amarela existentes na Unidade Básica de Saúde do Jardim Paraíba, em apenas uma hora. Outros tantos saíram sem ter sido vacinada. A mesma quantidade – 150 – deve continuar sendo disponibilizada às terças e quintas, com distribuição de senhas. “Eu vou chegar na terça, 31, bem cedo, antes das 6 horas, para poder vacinar. Eu prefiro prevenir do que remediar”, promete a voltarredondense Cristina Vasquez.

 

Assim como ela, os barramansenses também estão preocupados com a Febre Amarela. A imunização, que é feita às terças e sextas, na sede da secretaria de Saúde, no Centro, já está atraindo centenas de pessoas. Ontem, sexta, 27, a fila era enorme, bem antes do amanhecer. Liliane Pereira estava lá.  Não conseguiu ser vacinada e desabafou no Facebook. “Cheguei lá hj (sic) às 5 horas, já não consegui senha. Somente 200 pessoas vacinadas por semana, um absurdo. Mães tendo que ir pra fila com crianças no colo. O 1° da fila chegou lá 1 hora da manhã e quem não pode ir nesse horário????”, indignou-se, mostrando a preocupação em contrair a doença.

 

Sem risco

A coordenadora do Setor de Imunização da secretaria de Saúde de Barra Mansa, Marlene Fialho de Miranda, está tendo uma tarefa para lá de difícil em tentar tranquilizar os barramansenses sobre a Febre Amarela. Segundo ela, a cidade e o estado do Rio não são áreas endêmicas favoráveis a um surto da doença. Ela explicou que a febre amarela urbana foi erradicada há mais de 50 anos. “Não estamos vivenciando um surto de febre amarela. A vacina tem muitas precauções e contraindicações. As pessoas podem ficar tranquilas, porque Barra Mansa não está na área de risco”, crê.

 

Marlene explica ainda que a orientação do Ministério da Saúde é para que as pessoas não viajem para áreas endêmicas de Minas Gerais (Estado todo) e algumas cidades de São Paulo. “Por isso estamos orientando a vacinar apenas quem vai viajar”, disse. Vale lembrar que no Carnaval alguns dos destinos preferidos dos moradores de Barra Mansa, Volta Redonda e municípios vizinhos são justamente as cidades mineiras.

 

O aQui procurou a secretaria de Saúde de Volta Redonda para que a titular da pasta falasse sobre os riscos da Febre Amarela na cidade do aço. Só que até o fechamento desta edição, não houve nenhum retorno de quem quer que fosse. Durante a semana, por meio de release, a secretaria tentou tranquilizar a população lembrando que nos últimos sete anos apenas um caso suspeito de Febre Amarela teria sido notificado. E este teria sido descartado após exame laboratorial.

 

Assim como em Barra Mansa, na cidade do aço existe a determinação de priorizar as pessoas que estejam com viagens marcadas para as áreas com contaminação comprovada. O difícil, convenhamos, vai ser acalmar quem não gosta de correr riscos e que não acredita nas palavras das autoridades, principalmente quando a Febre Amarela já está no quintal do vizinho. 

 

Vacinação

Para os voltarredondenses que vão viajar e querem se imunizar, na terça, 31, haverá uma nova etapa da vacinação com aplicação de 150 doses na Unidade Básica de Saúde do Jardim Paraíba, localizada na Rua 548, nº 91. Segundo informações da secretaria, serão disponibilizadas, por semana, 300 doses, sendo que serão distribuídas senhas a partir das 7 horas. A aplicação das vacinas começará às 8 horas. Os idosos com mais de 60 anos devem levar autorização médica, devido aos efeitos colaterais da vacina. Outros adultos devem levar o cartão de vacina e a identidade; caso não tenham o cartão, somente a identidade. A imunização é realizada a partir de 9 meses de idade.

 

Já em Barra Mansa, a secretaria de Saúde informou que a vacinação contra a Febre Amarela está sendo realizada toda terça e sexta, das 8 às 12 horas, mediante ordem de chegada – controlada por senha. A secretaria de Saúde fica na Rua Pinto Ribeiro, Centro, e o telefone da unidade é 3322-9192. Estão sendo disponibilizadas 100 vacinas na terça e 100 vacinas na sexta.

 

Barreira contra a Febre

A partir de hoje, sábado, 28, em 16 municípios das regiões Noroeste, Norte, Centro Sul e Serrana será criado um cinturão de imunização para tentar impedir a entrada do vírus no estado. Localizados nas divisas com os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, as prefeituras de Cantagalo, Carmo, Comendador Levy Gasparian, Bom Jesus do Itabapoana, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Por-ciúncula, Santo Antônio de Pádua e Varre-Sai irão vacinar a população. Além destes, Campos dos Goytacazes, São Francisco de Itabapoana, Itaperuna, Sapucaia, Três Rios e Paraíba do Sul terão localidades específicas para imunização, não sendo recomendada a vacinação de toda a população destas cidades. Juntos, os 16 municípios estão recebendo 250 mil doses da vacina.

 

A secretaria estadual de Saúde também garante estar disponibilizando 100 mil doses para abastecimento dos estoques dos demais municípios do estado e, na quarta, 25, enviou solicitação ao Ministério da Saúde pedindo uma nova remessa de 350 mil doses, visando garantir o estoque estratégico para reabastecimento, totalizando 700 mil doses para todo o Rio de Janeiro.

 

Quem DEVE se vacinar

– Moradores de regiões de bloqueio
– Pessoas que viajarão para áreas com recomendação de vacina, com pelo menos 10 dias de antecedência.

Quem NÃO DEVE se vacinar

– Gestantes, idosos e crianças menores de 9 anos
– Pessoas com alergia a algum componente da vacina e alergia a ovos e derivados
– Pessoas em terapias imunossupressoras
– Pessoas com doenças autoimunes
– Pacientes transplantados de medula óssea
– Pessoas com histórico de doença do Timo
– Pessoas com doenças neurológicas de natureza desmielinizante (Síndrome de Guillan Barrè, ELA, entre outras)

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.