Jornal Aqui - Volta Redonda - Barra Mansa

Domingo, 18 de Agosto de 2019
0
Publicado em 12/08/19, às 09:22

Abrindo o jogo

Não é de hoje que o prefeito Samuca Silva (PSDB) vem dando demonstrações de que é um político corajoso e obstinado. Logo que assumiu o mandato, brigou com a, até então, maior liderança política da cidade do aço, o ex-prefeito Neto (quatro mandatos); comprou briga com as empresas de ônibus; liberou os motoristas do Uber para operar nas ruas do município em detrimento às reclamações dos taxistas; desburocratizou a liberação dos postos de combustíveis, entre tantos outros.
Essa semana, Samuca voltou a demonstrar que não tem medo de cara feia. E que sabe o que faz. Prova disso é que na segunda, 5, o chefe do Executivo voltarredondense foi pessoalmente à sede do MPE (Ministério Público do Estado do Rio), na cidade maravilhosa, para entregar, com protocolo e tudo mais, uma pasta de documentos contendo todos os contratos da prefeitura para que os promotores possam, se assim o desejarem, fiscalizar qualquer um deles. “Desde 2013 até os tempos atuais”, destacou Samuca em entrevista exclusiva ao aQui.
A medida de Samuca não é por acaso. Durante a semana, vereadores da bancada de oposição- pequena, por sinal deram o pontapé a uma campanha contra o governo por supostas irregularidades que estariam sendo cometidas pela OS que administra o Hospital do Retiro. O detalhe é que a prefeitura nada teria a ver com o caso, sendo todos eles de gestão interna da própria OS (Organização Social Mahatma Gandhi). “O edital da OS passou pelos órgãos de controle, pelo Conselho Municipal de Saúde e pela secretaria de Saúde. O processo foi todo transparente”, argumenta Samuca.
O prefeito vai além. Lembra que desde o início da gestão um dos nortes do seu governo sempre foi e é a transparência. “Melhoramos o acesso à informação através do site da prefeitura; aprimoramos o Portal da Transparência e implantamos um painel de led na frente da prefeitura e várias informações importantes do nosso governo ficam disponíveis para todos. Essas e outras ações nos levaram a ganhar alguns prêmios do Tribunal de Contas do Estado, além de termos sido eleitos a 2ª cidade mais transparente do Rio de Janeiro”, destacou.
“Além da secretaria de Saúde, o Conselho Municipal de Saúde também fiscaliza o trabalho da OS no Hospital do Retiro”, dispara. “E ela (OS) está cumprindo as metas estabelecidas. A forma de contratação de profissionais também foi profis-sionalizada. Foi realizado um processo seletivo para contratação, priorizando os melhores profissionais”, completa, aproveitando para disparar alguns petardos contra seus adversários. “(Contratações) Não foi por indicações políticas, e isso pode ter atrapalhado o objetivo de alguns, principalmente os que tinham muitos funcio-nários indicados na secretaria de Saúde e tiveram recorde de votação para vereador”, cutucou Samuca.
O prefeito garante ainda que uma equipe de auditoria da prefeitura de Volta Redonda acompanha de perto, bem de perto, a execução do contrato pela OS. A Comissão Especial, segundo ele, é composta, além do presidente, por um membro da Controladoria Geral do Município (CGM), um da secretaria de Administração (SMA); um da secretaria de Fazenda (SMF), e três indicados pelo Poder Executivo. Ou seja, sabem de tudo que acontece ou deixa de acontecer no Hospital do Retiro. “Está tudo certo, tanto que entreguei os documentos para o MP analisar”, pontuou. “Não vão encontrar nada de errado”, sentencia.
De acordo com o secretário de Saúde, Alfredo Peixoto, a OS Mahatma Gandhi tem metas a serem cumpridas durante o período de vigência do contrato, que é de 24 meses. “Os resultados atingidos pela administração do hospital são analisados, periodicamente, pela comissão de avaliação, que emite relatórios. Com base nisso, podemos verificar se o atendimento à população está conforme as normas e na qualidade que o cidadão merece”, destacou.
É por esses motivos que Samuca destaca que o fato da OS ter assumido o Hospital do Retiro, de forma mais profissional, é um dos fatores que geram as críticas da oposição. “Hoje não vemos muitas críticas ao Hospital do Retiro. São poucas as reclamações. Sabemos que temos muito a melhorar, mas a gestão da unidade melhorou. E, infelizmente, temos muita gente que não quer isso”, ironizou.
Hospital São João Batista
Na entrevista, o prefeito Samuca Silva também falou sobre o edital público que a prefeitura de Volta Redonda, através da secretaria de Saúde, lançou referente a um novo chamamento para OSs interessadas em assumir a gestão do Hospital São João Batista, o maior da cidade do aço. A unidade, frisa, conta hoje com mais de 600 profissionais recebendo pelo famigerado sistema de RPA (Regime de Pagamento a Autônomo). “Isso é um absurdo. Eles não recebem férias, 13º salário, FGTS, 40% de rescisão”, enumerou. “São pessoas que trabalham há anos no Hospital São João Batista, prestam um serviço de excelência, e não contam com qualquer direito trabalhista”, completou, mandando um recado aos adversários insatisfeitos:
“O processo de contratação da OS para administrar o Hospital São João Batista também será analisado pelos órgãos de controle, como a Controladoria Geral do Município e o Conselho Municipal de Saúde”. “O MP se quiser também terá acesso ao processo”, finalizou.

Os textos e as fotografias veiculadas nas páginas do aQui se encontram protegidos por direitos autorais, sendo vedada sua reprodução total ou parcial para finalidades comerciais, publicitárias ou qualquer outra, sem prévia e expressa autorização de Jornal Aqui Regional. Em hipótese alguma o usuário adquirirá quaisquer direitos sobre os mesmos. E no caso de utilização indevida, o usuário assumirá todas as responsabilidades de caráter civil e/ou criminal.